Mc Dia Feliz

Eu poderia tranqüilamente desaparecer e não faria a menor diferença. Faria: eu encontraria tempo para pensar em paz sobre tudo o que acontece. Poucas pessoas importam nessas horas. Bom seria ficar sozinho. Um restinho de pó no fundo da xícara e o sabor residual do expresso são boas companhias.

Ruim, ruim é esperar que algo aconteça, esperar que a vida sofra uma reviravolta positiva (sim, eu percebi a contradição entre “sofra” e “positiva”). Todos esperam encontrar dinheiro no chão, esperam sonhar com os números da loteria, esperam que a mulher dos sonhos — linda, inteligente, simpática, apaixonada e equilibrada (sim, também percebi a contradição entre “apaixonada” e “equilibrada”) — chegue trazendo um carro esporte totally for free.

Na verdade é impossível falar destas coisas sem fazer confissões. Impossível falar dos outros sem declarar a própria culpa. O mundo é meu espelho.

No fundo espero uma revolução, como todo pobre miserável (sim, eu percebi a repetição) que olha esperançoso as notícias na TV. Pobres miseráveis suspiram pelo Plano Cruzado e gostavam mesmo é daquela história de “fiscal do Sarney” – senão não seriam pobres miseráveis. Vai ser pervertido lá na putaqueopariu. Mas tem gosto para tudo.

A única revolução que interessa é a que nasce lá dentro. Não, ela não se chama diarréia, pois surge serenamente, não nos põe a correr, não causa agitação, não transtorna. Ela — a revolução ideal — muito lentamente faz o balde transbordar e muito lentamente renova os fluidos, expulsando a sujeira, fazendo surgir água limpa. Água limpa é cristalina, pode-se enxergar através dela. E isto não é uma metáfora.

Não é isso a vida? Constante renovação? A recusa à inércia, à estanqueidade, a negação à negação. Vida é aceitação, experimentação, permissividade. Daí a importância do suor, da inconstância, do estudo, da meditação. Todas estas coisas mudam a realidade, fazem-nos percebê-la de forma diferente, ver o que não era e o que será. Quem vive assim? Eu vivo assim? E é exagero ou bondade falar em vida nestas circunstâncias?

Talvez eu experimente ajoelhar-me diante de um dogma. Palavras há aos montes. A provecta dona Tatiana, do alto de seus 90 e poucos anos, me disse hoje ao telefone que a palavra de Deus opera milagres – leia-se “Pai nosso”.

A disciplina é escassa. E a Lya Luftal, que tem menos do que eu, ganha níqueis da Abril dizendo coisas piores do que estas. Piores do que estas! Mas o fantasma do Estagirita me dá um jab que me lembra que a insatisfação não gera o direito.

Eu não gostaria de recobrar a lucidez. Não agora. A falta de lucidez é desculpa dos loucos, que são felizes. Eles fedem, as pessoas lhes têm compaixão e por isso eles são felizes. São diferentes dos mendigos porque os mendigos pedem, esperam e reclamam. Não são imunes à esperança de um mundo melhor – o que é o mesmo que acreditar na Fada do Dente e, mais, esperar que ela seja a Scarlett Johansson. Não são imunes aos aborrecimentos da desesperança – Aristóteles jabeia novamente. Mendigos não tomaram a vacina contra o mundo (embora sejam mais resistentes do que eu, classe média).

É necessário tomar vacina contra o mundo para poder viver nele. Eis a felicidade dos loucos. Eis o que lhes dá força. Eis a razão da minha fraqueza – esperar demais, acreditar no mundo.

Querer demais, sem lembrar que no meu mundo de sonhos o pensamento precede a ação e a ação precede o desejo. Penso, faço, não desejo. Schopenhauer tropeça e torce o tornozelo esquerdo.

Melhor ir. A chuva diminuiu. Eu só estava esperando a chuva diminuir. É bom quando se pode deixar nas mãos do tempo – o vento, a chuva – o rumo de nossas vidas. No mar as coisas são assim, e eu não consigo deixar de pensar nas pessoas que se salvaram daquela tsunami porque estavam num frágil barquinho em alto-mar. No meio do mato as coisas não são muito diferentes disso. Não é você que decide se hoje vai ser um dia bom. Você olha para o céu assim que acorda e já sabe a resposta. O Mistério está nas nuvens, no vento que muda a direção toda hora. E a felicidade… ora, esqueça.

Anúncios

2 comentários sobre “Mc Dia Feliz

  1. Pingback: Liz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s