O Incidente Helsingør

viking

O turismo começa no ano 853 da Era Cristã, quando uma horda de vikings vindos da Noruega, liderados por Vidkun Bjørnstjerne, lotou uma nau, atravessou o Mar do Norte e desembarcou na ilha de Sjælland, a principal da Dinamarca, mais exatamente na cidade de Helsingør. Tabernas foram vandalizadas, mulheres foram violadas e, no caminho que ligava Helsingør à capital Kopenhagen, fazendas foram saqueadas e algumas cabeças de boi tombaram para saciar a fome dos visitantes. Os vikings, bêbados e enfastiados, deixaram para trás a nau e todos os seus pertences — que incluíam muitas moedas de ouro e prata e um generoso arsenal, além de bacalhau e vinho de beterraba — e seguiram a pé na direção do sul, o que talvez explique os olhos azuis de uma parte da população da Europa mediterrânea.

No ano seguinte, um outro grupo de vikings aportou na costa dinamarquesa. Desta vez os dinamarqueses haviam construído um porto especialmente dimensionado para as naus norueguesas. O então prefeito de Helsingør, acompanhado de chocolate, cerveja e belas mulheres, recebeu o líder dos vikings. Conta a história que esta segunda visita foi bastante tranqüila. Pesquisadores afirmam que o tradicional vandalismo dos vikings simplesmente não foi necessário; o que no ano anterior foi obtido com violência, desta vez lhes foi oferecido espontaneamente e em abundância. As mulheres continuavam lindas e agora eram bilíngües; a comida era abundante e há indícios de que enormes blocos de gelo foram trazidos da Lapônia para manter a cerveja gelada — já que o solstício de verão se aproximava. Segundo Miklós Rakòsi, autor do estudo «Ciganos: origens e histórias», os primeiros ciganos em terras escandinavas foram os músicos contratados para animar a segunda visita dos noruegueses. Estes, encantados com a boa recepção, no terceiro ano de visitas aportaram com seis naus na Dinamarca. Ouro, vinho de beterraba e bacalhau foram oferecidos como retribuição.

Ano após ano o número de noruegueses na Dinamarca foi aumentando. Helsingør, pioneira na recepção de vikings, tornou-se referência no turismo, que então era chamado de modkobling. Muitos dinamarqueses, percebendo as perspectivas proporcionadas pelo turismo, deixaram suas atividades originais e construíram hospedarias e tabernas para receber os vikings. A Dinamarca prosperou, abastecida com ouro, vinho de beterraba e bacalhau noruegueses. Os serviços oferecidos aos turistas (modkoblihoved; hoved significa cabeça) diversificaram-se.

Por três décadas, a Dinamarca prosperou dessa forma, até que por volta do ano 887, em ocasião do bicentenário de São Olaff, padroeiro da Noruega, 340.000 vikings aportaram em Helsingør. A cidade literalmente ruiu, não suportando a enorme quantidade de vikings. O rei da Dinamarca, Aalborg Daneviirke, resolveu então acabar com o turismo. O fato entrou para a história do país como Incidente Helsingør. Entrar na Dinamarca só era possível com um bom pretexto — somente cientistas e missionários eram autorizados. Sem as influências dos vikings, os dinamarqueses retornaram às suas atividades originais. O analfabetismo foi erradicado, o norueguês deixou de ser o idioma mais falado na Dinamarca. As crianças passaram a aprender letras clássicas, matemática e música — o que logo foi estendido a todos os dinamarqueses. A cultura do país evoluiu a níveis impressionantes. Para evitar novas invasões de turistas (vikingee modkoblihoved), a marinha dinamarquesa foi estabelecida — por ironia, aproveitando a tecnologia norueguesa — e entre os séculos X e XIII era a mais poderosa da Europa do norte.

Hoje a Dinamarca é o que é — um símbolo da civilidade nórdica — graças aos trinta anos de turismo no séc. X e ao Incidente Helsingør, marcos de um período que ensinou aos dinamarqueses, em especial aos da pequena Helsingør, que o ouro, o vinho de beterraba e o bacalhau não valiam a identidade de um país, tampouco desenvolviam a cultura, a civilidade e o bem-estar dos dinamarqueses.

Os turistas só retornaram à Dinamarca em meados do séc. XX, quando os nazistas ficaram sem chocolate. Desta vez foi impossível barrá-los.

Anúncios

Um comentário sobre “O Incidente Helsingør

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s