Miscelânea

É bastante simples — e burro — tentar refutar uma afirmação dizendo que há outras que são mais verdadeiras e comuns.

*
O novo filme de Superman seria comum não fossem as semelhanças (já bastante comentadas pela crítica especializada) da história de Kar-El com a de Jesus.

*
Diante de uma pessoa mais rica, quantas pensarão em trabalhar, planejar, estudar e progredir em vez de invejar e criticar a riqueza alheia, lançar a culpa no sistema, procurar os responsáveis pelas desigualdades sociais e, claro, espernear para que o governo faça sua parte ou seja substituído por quem o faça?

*
Perceba que a maioria das pessoas não gosta de pessoas. Quando não são assumidamente anti-sociais, têm a sociabilidade como uma conveniência semelhante ao salário.

*
Os Sem-Floresta me fez chorar de rir, como não acontecia havia muito tempo. O desenho não é extraordinariamente engraçado, mas a crítica à vida suburbana faz sentido demais a uma pessoa que, como eu, se interessa em estudá-la.

*
Estou em férias. Supostamente. As atualizações deste saite voltarão à normalidade em Agosto. Mas eu devo escrever mais uma ou outra abobrinha até lá. Aos que continuam lendo estas linhas, muito obrigado.

Anúncios

3 comentários sobre “Miscelânea

  1. \”Perceba que a maioria das pessoas n?o gosta de pessoas. Quando n?o s?o assumidamente anti-sociais, t?m a sociabilidade como uma conveni?ncia semelhante ao sal?rio.\”

    Prove.

    N?o ? muito limitado a sua experi?ncia pessoal essa frase?

  2. De fato, Moreno-san. Minha experi?ncia ? limitada nesse sentido, sobretudo porque me enquadro no primeiro tipo mencionado (os anti-sociais). Eu n?o gosto de pessoas, com exce??o daquelas com quem posso compartilhar o sil?ncio, por exemplo.

    Na verdade n?o refleti o suficiente para chegar a uma demonstra??o decente. Eu tive a sensa??o de que as coisas s?o assim e pensei — este, um pensamento recorrente em minhas anota??es — que todo relacionamento ? troca. Pode-se encar?-lo at? de uma forma mercantil. O que me fez pensar que as pessoas se aproximam umas das outras por interesse m?tuo, pela possibilidade de ganhar algo: status, dinheiro, conhecimento, respeito, reconhecimento, satisfa??o etc.

    N?o ? t?o ruim quanto pode parecer. N?o h? nada de errado em encarar relacionamentos de uma forma utilitarista, porque quase todos eles s?o assim e porque eles raramente s?o apenas isso. Eu acredito em amor, acredito que h? algo mais em todo relacionamento, sobretudo naqueles duradouros, naqueles que aproximam pessoas s?bias e amorosas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s