Diferenças culturais

burajiru for export
Tokyo não precisa disso.

Não tenho mais paciência com pessoas que recusam comparações com países desenvolvidos com o argumento que diz que a cultura desses países é diferente — e falam da história do Brasil, da colonização, da escravidão, do jugo lusitano e logo em seguida do jugo norte-americano, dos anos da ditadura, dos anos de democracia capenga, da zelite branca etc. Se dissessem que é uma questão de idade, que o Brasil é um país jovem, que tem pouco mais de 500 anos de existência (e muito menos como país de fato), eu diria “ok, concordo com você”. Mas não. Dizem que há diferenças culturais incontornáveis; dizem que o brasileiro não aceitaria coisas que para o alemão e para o japonês são normais; dizem “ah, mas é o Japão, né?” e dizem que o Brasil precisa encontrar sua própria identidade.

À parte o fato de que identidade não é algo que se “encontra”, as pessoas que sustentam a idéia das diferenças culturais agem como se brasileiros fossem pessoas retardadas e incapazes ou como se alemães e japoneses tivessem seis braços, QI sempre acima de 208 e poderes paranormais. Há um coitadismo embutido nesse discurso, uma peninha tão profunda de si mesmo e uma esperança de que os países desenvolvidos percebam que devem nos ajudar — isto é, enquanto a ajuda não lhes é arrancada à força.

Decorrência da tese das diferenças culturais é a preguiça, a elevação do governo à condição de algoz e salvador de toda uma nação, a cegueira e o ódio às coisas boas e a auto-sabotagem e a imoralidade obsessivas. Nossa natureza nunca foi gigante.

Abandonar essa tese pode ser um bom negócio. Eu tenho cinco dedos em cada mão. A maioria dos alemães e japoneses também tem. Sei ler e escrever, assim como a maioria dos estrangeiros de países desenvolvidos. É bastante fácil diferenciar o bem do mal, no Brasil, na Alemanha ou no Japão. É bastante fácil perceber a importância do trabalho e dos valores morais. Estas coisas são universais. O assassinato e o roubo são ruins em todas as culturas, em todos os países, ainda que haja no Brasil quem defenda a moralidade de certos crimes.

Um país de verdade se ergue nessa universalidade, não na teimosia de transformar coisas miúdas e pitorescas em valores universais. Acredite, o mundo não prefere futebol e samba ao conforto, à saúde e à certeza de poder ter o próprio sustento através do trabalho honesto.

Anúncios

4 comentários sobre “Diferenças culturais

  1. Artigo excelente. Apenas dois apontamentos:

    1) Há de se comparar coisas diferentes, que raio de comparação pode existir entre coisas iguais, culturas iguais e etc?

    2) O alemão em questão era um muçulmano. Aliás, nem alemão era, mas sim um turco. Já o decote da moça não era muito generoso, até era modesto, nem era lá um belo decote, aliás. Mas o motorista a expulsou devido a questão mal resolvida que o islamismo tem com mulheres e o sexo. No fundo acredito mesmo que eles não gostam de mulher, pelo tratamento dedicado a elas. Mas aí já é outro assunto.

  2. Opa, valeu, Diogo.

    1) Verdade. O problema do Brasil é querer se diferenciar naquilo que não interessa e querer se igualar naquilo que é impossível.

    2) Mas mesmo sendo turco (e islã e tal), você consegue imaginar a mesma cena no Brasil? Eu consigo: o caso ganharia os telejornais, o motorista seria processado e a moça, se fosse jeitosinha, seria capa da Playboy no mês seguinte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s