Bom exemplo de mau exemplo

congestionamento

Uma das coisas que mais me chamam a atenção quando circulo pelas ruas de Ilhabela é ver nesta cidade a reprodução de alguns modelos que já foram testados e reprovados em outros lugares. Além disso, chama a atenção também o fato de que nesses casos lhabela, graças às suas características geográficas e humanas, tem todas as condições para desenvolver modelos próprios e bem-sucedidos.

Um bom exemplo disso é o carro. O carro funciona bem em lugares em que não é tomado como gênero de primeira necessidade, mas como uma das diversas possibilidades de transporte. No Japão crianças de 7 ou 8 anos vão à escola de bicicleta e senhoras de 80 vão às compras; disseram-me que em muitas cidades européias também é assim. Em São Paulo, onde a posse e o uso do carro são irracionais, os congestionamentos são permanentes e quase ninguém pensa a sério em ampliar o sistema de ciclovias e melhorar as calçadas. Anda-se e pedala-se pouco porque não há ciclovias e boas calçadas ou não há ciclovias e boas calçadas porque se anda e se pedala pouco?

Apesar do mau exemplo paulistano, em Ilhabela o sistema viário é todo ele pensado em função do carro, um problema cuja solução se resume a taxas e multas – o que sugere que o que falta para o trânsito funcionar bem é dinheiro.

Eu me surpreendo com essas coisas porque em Ilhabela algumas soluções estão dadas. Pedalo com freqüência e recentemente comecei também a caminhar para percorrer as distâncias do dia-a-dia. A pé notei o mesmo que eu noto quando pedalo: entre a Vila e a Barra Velha a topografia é suave e as distâncias são pequenas. Pedalando moderadamente gasta-se de 30 a 35 minutos entre a balsa e a Vila, praticamente o mesmo que se gasta num ônibus (mas no ônibus você gasta dinheiro também). A pé, em 40 minutos, pode-se ir do Perequê até a Vila. Além de tudo, o lugar é muito mais bonito quando você não está dentro de um carro.

É claro que todo motorista tem o direito de usar seu carro como bem quiser. Isto não exclui o seu direito de ter à disposição alternativas de transporte, assim como não exclui o dever do poder público diversificar o sistema viário da cidade. O Código de Trânsito é claro: calçadas e ciclovias são vias públicas. A ciclovia ilhabelense precisa ser concluída, iluminada e sinalizada. As calçadas precisam ser tratadas como vias de circulação. Calçadas e ciclovias podem, em Ilhabela, ter mais importância do que ruas e avenidas. Com boas calçadas e ciclovias mais moradores poderão se habituar a sair para trabalhar de bicicleta ou a pé, como alguns já fazem. Com boas calçadas e ciclovias mais turistas serão estimulados a deixar o carro em casa nos feriados e finais-de-semana. Além disso, a presença constante de pedestres e ciclistas na cidade estimula o uso de outros lugares além da Vila (centro turístico) e Perequê (centro comercial), aliviando o trânsito nesses bairros. Ilhabela tem tudo para ser um lugar em que todos os dias serão “Dia Sem Carro”.

Mais importante do que isso, quando as pessoas circulam mais a pé e de bicicleta do que de carro, a paisagem é vista de outra forma. Ela é apreciada. Atrás do pára-brisa o máximo que se consegue é ver tudo à pressa – e eu não sei em quê isso pode ser bom para Ilhabela. O turista que Ilhabela quer receber é precisamente aquele que está disposto a caminhar e a pedalar, não aquele que busca vias expressas, asfalto liso e boletins de congestionamento.

.
Artigo publicado no jornal Canal Aberto em 14 de Dezembro de 2007.

Original da imagem aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s