Não somos nostálgicos

vintage ipod

Cresci acostumado à idéia de que o passado era melhor. Eu ouvia com freqüência meus avós dizendo «No meu tempo…» e em seguida eles desancavam o presente e rendiam loas a um tempo acostumado a TVs monocromáticas, carros enormes que poucas pessoas podiam ter, bolos feitos em casa e boa vizinhança. Tudo isso era agradável, é claro. Vou além: tudo isso era melhor, melhor do que as coisas são hoje. Não importa que hoje tenhamos gadgets, internet e melhores indicadores sociais. Tudo era melhor antes.

Gadgets, internet e indicadores sociais não são nada. Comparem-nos com aquilo que foi perdido, esquecido e extinto. A velocidade aumentou, mas morre-se mais no trânsito do que outrora; há menos pobreza, mas mata-se mais por dinheiro do que no passado.

Não vou-me estender nos paradoxos de nosso tempo, apenas recomendo tê-los em mente sempre. O que importa aqui é saber até que ponto o passado realmente era melhor e até onde vai a sinceridade das pessoas quando falam dele e suspiram por ele. Elas estariam dispostas a usar chapéus e a caminhar, a não ter carros bicombustíveis e e-mails, a viver um pouquinho menos, a não ter asfalto nas ruas e lojas refrigeradas e padarias em cada esquina? Elas estariam dispostas a transpirar mais, a fazer mais coisas por elas mesmas, a carregar peso, a cobrir longas distâncias a pé?

A questão não é voltar no tempo, mas trazer o passado para cá. Não é uma questão meramente nacional — porque dizem, com razão, que o país precisa ser reconstruído, recomeçado do zero e que muitas coisas elementares, daquelas que erguem nações, não foram resolvidas até hoje. É uma questão pessoal e emocional perceber que muita coisa foi deixada para trás e que, afinal, antes você era melhor. Não me refiro à infância, refiro-me à pureza (porque não somos puros porque somos crianças; somos crianças porque somos puros). Você era melhor não porque era criança, mas porque tudo era melhor, inclusive você.

*
Vale a pena fazer um intervalo e lembrar que viver no presente é bom porque é a única opção disponível. Não há a necessidade de voltar ao passado simplesmente porque a possibilidade também inexiste. Tentar escapar do presente é irrealismo, loucura ou celebração da morte — ou as três coisas juntas, o que não é tão raro como se pensa.

(A propósito disso é interessante observar que há mais realidade e vida em grandes obras de arte do que nas conversas sobre os noticiários. Há mais realidade nas obras de Dali do que nos cadernos de economia dos jornais. Há mais realidade no zazen do que nos projetos de leis. Os mestres da arte e os mestres da vida são aqueles que realmente encaram a realidade.)

*
Mas eu falava do passado e de nostalgia.

Ser nostálgico é suspirar pelo passado. É o que dizem. E todos aqueles que suspiram pelo passado e que dizem que ele era melhor se dizem nostálgicos. Não somos nostálgicos. Somos oportunistas. Não queremos o passado, queremos conveniências. A nostalgia cumpre seu papel neste sentido: suspirar pelo passado é uma forma de não assumir plena responsabilidade por tudo que acontece hoje — acredite, eu, você, somos todos culpados. E todos queremos voltar para o passado, mas dirigindo um De Lorean.

Não somos nostálgicos. Somos «vintage».

Verdadeira nostalgia não faz o sujeito apenas suspirar. Verdadeira nostalgia o faz valorizar cada memória, cada carta, cada velho costume (exatamente por ter durado), cada folha caída, cada mancha na parede caiada (naquele tempo não havia tinta acrílica), cada foto. E ao valorizar estas coisas elas são mantidas. Elas não envelhecem, elas evoluem. Elas não se perdem, elas se tornam mais vivas e presentes e doces e reais.

*
A orgia de fotos e câmeras digitais não significou apenas o fim da fotografia — porque hoje qualquer pessoa com uma câmera digital na mão e um Photoshop pirata no PC se acha o Araquém Alcântara. Significou o fim das memórias. Talvez elas não tenham se perdido totalmente — ainda. Mas a banalização dos retratos, a confiança plena em meios não-impressos, a impossibilidade de folhear imagens, levá-las para a cabeceira da cama ou enviá-las fisicamente aos amigos, amantes e parentes é, sem dúvida, uma perda. O costume de ver fotos, o ritual de fazê-las, a reverência com que são trocadas, tudo isso ficou para trás.

Há compensações, claro. Mas considere a hipótese de você ter uma velhice que não saberá como a juventude se parecia.

*
Eu pensava nisso enquanto pedalava e ouvia música. Eu tinha esse costume perigoso em meus primeiros anos na cidade onde vivo hoje. Por algum motivo que não me ocorre agora o costume foi abandonado. Passei a pedalar menos e deixei de ouvir música ao pedalar. Não houve compensações. Pedalar não se tornou mais seguro (na verdade ficou mais perigoso e isso nada tem a ver com ouvir música). Não me tornei um ciclista mais atento (sempre fui suficientemente atento). E a trilha sonora cada vez mais incluiu motores desregulados e escapamentos deliberadamente abertos. Apesar disso tudo, permaneci tempo demais pedalando nessas condições, tolerando a música ruim do óleo diesel mal queimado e dos boçais do trânsito e — o que era mais preocupante — sendo pior do que eu era naquela época.

Eu perdi algo bom que eu era e não ganhei algo bom hoje. A única felicidade — que é o que, afinal, me impede de cortar os pulsos de desgosto — é ter percebido isso a tempo. Arrisco-me novamente a ouvir música enquanto pedalo, pedalo mais e lembro da alegria que essas coisas trazem e a sinto ao ponto de sorrir sozinho — porque o pouco de autenticidade que nos resta se manifesta nos sorrisos sozinhos, nas lágrimas sozinhas, nos pensamentos que ninguém lê.

.
Original da imagem aqui.

Anúncios

8 comentários sobre “Não somos nostálgicos

  1. Humm… apor algum motivo o texto foi arquivado em “longa-metragem”. Então, deve concordar comigo que é um tema fabuloso para um roteiro de um filme. Esse paradoxo da nostalgia renderia bons personagens.

    abraço

  2. Diogo,

    «Longa-metragem» é o nome que escolhi para a categoria de artigos. Só que «artigos» é um nome impreciso no caso deste site, porque nem todos esses textos são escritos como artigos e a maioria nem é publicada fora daqui.

    Talvez um filme baseado nisso pudesse reunir Schopenhauer, H. G. Wells e o Prof. Emmett Brown. Ou não, sei lá. Acho que estou delirando.

    Abraço!

  3. Não, não… nada de delírio. A coisa é por aí mesmo!

    Estive na Barnes & Nobles… confesso que fiquei perdido lá dentro. Com pouco tempo não é possível encontrar nada lá…rs

    Mas me dei conta de uma coisa: livros sérios tem capas mais “clean”. As porcarias são todas muito coloridas e sempre de mau gosto.

  4. Me fez lembrer do documentário ‘Janela da Alma’… e um pouco do episódio desta (x) temporada de ‘Lost’ sobre viagens no tempo…
    [e estou até agora intrigado com a imagem do iPod tijolar…]

  5. Nunca tinha parado para pensar por que eu me desinteressei completamente por fotografia. Quando eu era pré-adolescente, o meu sonho era ter uma reflex, daquelas profissionais, cheguei a passar um tempo juntando dinheiro até que ganhei uma usada (e que estragou logo depois).
    Alguns anos depois ganhei minha primeira câmera digital, tirei um monte de fotos, era tudo muito mágico.

    Nós compramos nossa segunda câmera e hoje eu olho nos arquivos do computador, tantas fotos repetidas, eu apago, deixo apenas uma de cada e os parentes reclamam, acham que cada uma é especial, mesmo que a diferença seja mínima (essa é uma das grandes pragas da fotografia digital, fotos idênticas aos montes).
    O resultado disso tudo é que estamos banalizando tudo, as músicas, os programas de TV, as fotografias não escaparam disso. Hoje eu raramente tiro fotos, não tenho motivação.

    Tenho um colega que ainda insiste em usar câmera convencional e filmes em preto e branco, mas é claro, ninguém dá valor e ele está quase desistindo. Tão triste.

  6. Kiki,

    receio que isso seja mais culpa nossa do que da indústria. Naturalmente, ela estimula um tipo de atitude «fast-food» que só beneficia a própria indústria (devemos tirar muitas fotos, devemos trocar de câmera tão logo um novo modelo seja lançado etc.), mas fomos nós que deixamos o ritual de lado, fomos nós que passamos a encarar as fotografias como algo banal, comum, vulgar.

    É claro que sempre haverá campo para a fotografia profissional. Mas a foto do dia-a-dia, as fotos de aniversários e reuniões perderam boa parte da aura original. E a culpa é nossa.

  7. Das antigas, só sinto falta do olho no olho, dos abraços! Via mais as pessoas ao vivo!

    Amo minha digital! não saio de casa sem ela (se saio sem, sempre me arrependo) Sem pretensões profissionais e memória ruim, minha câmera me permite uma lembrança prolongada e detalhada que eu não tinha com a câmera normal (eu economizava muitos clicks – era raro fotografar, caro revelar e comum desfocar ou velar!)
    Visito sempre minhas fotos com o picasa (muito prático), adoro os filminhos que fiz da minha sobrinha cantando ou dançando, faço fotos dos meus gatinhos em altas poses, de flores, de passarinho… e adoro fazer filminhos
    em stop motion com massinha com toda criança que aparece aqui!

    Nunca mais perdi uma boa foto, é permitido errar o foco/timing com a digital! Organizo, seleciono, deleto as ruins sem dó, gravo backup em dvd e pronto! Prático!
    Ontem no Pereque vi muitas tartarugas marinhas, fiz umas 60 fotos acertei umas 10 (lindas) – com papel não teria nenhuma boa! Me fez feliz!

    Continuo a assar bolos, minha nostalgia fica só por conta da falta de tempo que a velocidade de hoje e do meu trabalho obriga… na frente do computador o tempo voa.. só queria ter dias de 48 horas para fazer tudo mais devagar! Odeio transpirar! :)

    No seu casamento vou fazer mil fotos! hehehehe sem dó!
    (pode deixar que te mando algumas impressas e ainda faço um filminho e cds pra vc mandar de presente pra todos!)

    Beijos querido amigo das antigas!

  8. Tem um protagonista de um Filme de Woody Allen que era nostálgico até voltar ao passado e perceber que no momento as pessoas SEMPRE enaltecem o passado (alguns se projetam no futuro). E poucas vivem o presente plenamente.

    Eu pensava que era a única que não gostava do que se tornou fotografia. Fotografam tudo o tempo todo, mas algo se perdeu. Clicks frenéticos, há como tratar imagens como uma rapidez e uma admirável habilidade, mas a sensibilidade, estar atento aos detalhes, isso não existe mais.

    Revelar um filme era quase um acontecimento, muitas das fotos podiam até não ficar boas, mas o registro é que valia a pena. Quem nunca ficou puto ao abrir o envelope amarelo e perceber que perdeu TODAS as fotos? Ou nunca teve esse prazer ou nasceu à pouco tempo.

    Um fotógrafo em uma entrevista disse que há 2 (ou mais) fotógrafos na equipe dele, não para tirar várias fotos ou ter diferentes ângulos, mas para que no momento após o Click, onde a pessoa ‘desarma’ o outro fotógrafo registre, assim, sem a pessoa estar ‘preparada’ surgem as melhores fotos. É o detalhe e não os diferentes ângulos que fazem uma bela foto. Assim, como tudo na vida, onde é necessário sempre TER MAIS, fotografar em quantidade virou a nova “vou registrar TUDO para não perder NADA. Ninguém assiste à um show atento, sempre estão com uma câmera, a música o show acabou, o momento se perdeu. Mas o albúm do facebook estará cheio, cheio de vazio. E nessa, o tudo virou nada.

    Essa semana meu monitor pifou, ficar sem computador foi a melhor coisa dos últimos tempos. Percebi que o uso virou um hábito mais do que uma necessidade. Em 1 hora eu faria TUDO o que necessito, mas sempre fico por horas, fazendo coisas muitas vezes dispensáveis. Dois dias sem acesso à internet me rendeu horas de estudo, questionamentos e muito mais coisas que estando entretida eu não conseguia mais perceber.

    “porque o pouco de autenticidade que nos resta se manifesta nos sorrisos sozinhos, nas lágrimas sozinhas, nos pensamentos que ninguém lê.”

    Belíssimo trecho, mais do que poético é um fato. Podemos nos iludir a respeito ou não, mas a verdade é que somos solitários.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s