Discutindo e andando

dogs arguing

O problema de discutir é que é possível encontrar bons argumentos para praticamente qualquer coisa. Isto significa que numa discussão uma avaliação honesta dependerá de fatores muito elásticos. Por exemplo, se você estiver empapado de suor, sob calor de 40°, dificilmente terá a serenidade para discorrer sobre as benesses dos dias de verão — e dificilmente perceberá que isso não prova nada contra o calor ou a favor dele.

Pode-se falar bem ou mal sobre os dias de verão, o consumo de carne, a cor azul, as gravatas-borboleta, as religiões, a música de câmara e os jornais impressos — mas poucos argumentos serão capazes de superar o gosto e encerrar a discussão de uma maneira agradável para todos os interlocutores e observadores. Todas essas coisas podem ser avaliadas segundo critérios técnicos e até mesmo o gosto pode ser compreendido desta forma, com a ajuda de pesquisa científicas, equações e tabelas, mas o que encerra um assunto é algo de cujo desconhecimento nos orgulhamos — nossa própria vontade, nosso próprio desejo. Um bolo pode ser nutritivo e bem feito, mas o escolhemos porque ele satisfaz, porque é gostoso e bonito, porque enche a boca, os olhos e a barriga.

É possível, no entanto, conduzir certas discussões de uma forma menos subjetiva — e essa possibilidade torna-se necessidade à medida que o assunto diz respeito a um número cada vez maior de pessoas. Quando nos despojamos de critérios subjetivos demais, lembramos que as discussões são feitas mais de opiniões do que de observações, mais de idéias do que de fatos.

Questionado sobre a validade de seus milagres, Jesus não respondia com teorias ou doutrinas. Ele apenas dizia: “olha e vê o que fiz” (Lc 7:20-23).

.
link da imagem

Anúncios

3 comentários sobre “Discutindo e andando

  1. Meu prezado Christian,
    Seu post é interessantíssimo. Você colocou uma discussão apaixonante, que está na base de muitas reflexões de alguns dos mais importantes filósofos da modernidade, entre eles Jurgen Habermas. Ele é o pai da Teoria da Ação Comunicativa, que, grosso modo, nada mais é do que uma tentativa de estabelecer as condições ideais do debate, a fim de avaliar o que é ou não um bom argumento. Todas essas discussões também foram retomadas por um movimento importantíssimo para a contemporaneidade, que é a Nova Retórica, de Chaim Perelman, um pensador do Direito que, pela fecundidade de suas reflexões, transcendeu seu campo de origem e iluminou várias áreas de conhecimento. Habermas, em especial, tem algumas idéias interessantes. Como todo pensador contemporâneo, ele é desconfiado de verdades eternas e um pouco inclinado ao relativismo moral (embora discorde de relativistas como Richard Rorty, o queridinho da filosofia contemporânea). Habermas propôs, para o mundo da cultura (pois isso não seria totalmente válido para as ciências), uma noção que vem gerando acalorados debates desde que surgiu: em se tratando de temas polêmicos (leia-se, temas que dividem a opinião e que permitem mais de um posicionamento), não há verdades dadas, mas construídas. A construção de uma verdade é feita mediante consenso, e o consenso é o produto do debate. E o debate é feito por argumentos. Uma das tarefas a que Habermas se propôs é a de saber quais são as condições ideais de debate, que incluem a igualdade entre os interlocutores, sem situações de coerção, e quais são (se é que existem) parâmetros éticos universais, que transcendem o tempo e o lugar em que foram formuladas as opiniões que os sustentam. Parabéns por se dedicar a um tema tão útil à política (campo em que essas idéias têm aplicação imediata) e à melhoria do nível intelectual de nossa blogosfera tupiniquim. Feliz 2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s