Pela criminalização do comunismo

anti-comunista

Antes de iniciar esta divagação, é importante estabelecer o seguinte: quando falo «comunismo» refiro-me tanto ao comunismo como ao socialismo. As definições de dicionário oferecem verbetes distintos para cada um dos termos; livros didáticos também.

O que não se revela nas páginas dos livros e dos dicionários e que salta aos olhos de qualquer observador atento é que não há diferença significativa entre essas duas coisas. Como teorias, como doutrinas ou como sistemas políticos, as diferenças são evidentes. Como práticas, comunismo e socialismo diferenciam-se apenas na intensidade e na dimensão do totalitarismo, da supressão progressiva das liberdades individuais, do controle da sociedade e do genocídio embalado por razões político-ideológicas.

Notem, por exemplo, que tudo aquilo que é socialista — grupos, governos, estados, nações — pretende ser comunista e que todos aqueles que se declaram comunistas criticam os socialistas justamente por não serem suficientemente esquerdistas e revolucionários. É precisamente nisto que se igualam comunistas e socialistas: são todos prosélitas revolucionários dispostos a qualquer coisa para implantar seu projeto de futuro.

Se interessar ir além no estabelecimento desses termos e compreender melhor a origem deste post, recomendo ler este post e os comentários ali postados.

Isto dito, prossigamos.

*
A idéia presente no título decorre de uma observação bastante simples. Como muitos devem saber, fazer apologia do nazismo — qualquer que seja o contexto — é crime previsto em lei. Muitas pessoas pensam — como eu pensava — que isto se deve ao fato do nazismo ter levado aproximadamente 6 milhões de pessoas à morte. Oras, regimes socialistas e comunistas mataram muito mais do que o nazismo; só na China comunista foram 20 milhões de mortes entre 1959 e 1962 (link). Logo, quanto mais sanguinária a doutrina ou o regime, tanto mais terrível seria fazer-lhe apologia.

No entanto, a explicação da criminalização do nazismo é diferente. A apologia ao nazismo não é considerada crime porque se trata de um regime sanguinário, e genocida, mas porque o nazismo é inerentemente racista e o racismo, como se sabe, é crime. Mais do que isso: o racismo é considerado crime porque fere um dos princípios fundamentais da civilização atual — o princípio da igualdade entre raças.

Se retornarmos ao comunismo chinês e avaliarmos as circunstâncias do genocídio ainda maior impetrado pela insanidade de Mao Zedong (aka Mao Tsé Tung), veremos que não há nele traços do racismo que havia no nazismo. O flagelo do «Grande Salto Para a Frente» (que entrou para a história como «Grande Salto Para o Abismo») recaiu precisamente sobre o próprio povo chinês, o que reforça que o genocídio não foi causado pela afirmação de uma raça sobre a outra, como ocorreu no nazismo.

Em sentido estrito, o que houve foi a insanidade de um líder obcecado por implantar em seu país um sistema social, político e econômico fadado ao fracasso — e, obviamente, a cumplicidade criminosa de milhares de camaradas e companheiros de partido. O preço dessa obsessão foram 20 milhões de vidas, mas, como é fácil saber, o comunismo chinês não parou por aí. Até hoje, a China continua sendo o país com maior número de execuções, «costume» que remonta ao período da Revolução Cultural, época em que eram comuns as execuções por motivos ideológicos, a exemplo do «paredón» cubano.

A China é apenas um entre vários exemplos da pecha genocida comum aos regimes de esquerda. Ao longo do século XX nações comunistas e socialistas colecionaram aproximadamente 100 milhões de mortos. Entre eles estão a Cuba de Guevara e Fidel, a China de Mao Zedong, a ex-União Soviética de Lênin e Stalin e o Camboja de Pol Pot (líder que conseguiu dizimar 1/4 da população daquele país em 4 anos).

Diante disso, o racismo parece crime banal. O que é a afirmação de uma mentira (a superioridade de uma raça sobre a outra) diante de um homicídio? Certamente ele se torna mais grave se movido por racismo, mas a gravidade do crime é ainda maior quando o homicídio se torna genocídio. O nazismo é especialmente abominável e monstruoso porque matou para afirmar a pretensa superioridade de uma raça.

O que dizer do maoísmo ou do stalinismo, regimes ainda mais genocidas do que o nazismo? Como é possível tratar com brandura um regime genocida apenas porque ele não é racista? Ainda que os objetivos e o modus operandi sejam diferentes — porque stalinismo e maoísmo não eram regimes racistas –, por que tratar diferentemente regimes que se assemelham nos resultados?

A meu ver, a apologia ao comunismo é crime tão sério quanto a apologia ao nazismo. Esta, pelo racismo e pelo genocídio inerentes ao regime; aquela, pelo genocídio ainda maior, ainda que não seja racista. Nos dois casos — nazismo ou comunismo — fazer apologia implica cuspir na memória de milhões de vítimas desses regimes e de seus descendentes, ver pureza e bondade em regimes sanguinários que por sua própria natureza não têm quaisquer traços dessas virtudes.

A suástica nazista é justamente banida; seus defensores são punidos, processados e presos; quem quer que se manifeste favoravelmente à ideologia e à doutrina nazista é tratado de forma semelhante, mesmo que com base no argumento da liberdade de expressão (a respeito disto o caso Ellwanger é emblemático). Por que o mesmo não ocorre com os apologistas do comunismo? Por que ícones do comunismo, como a foice e o martelo e a imagem de Che Guevara, são exibidas como símbolos admiráveis de uma ideologia sublime? Como é possível esconder sob esses símbolos o sangue que foi derramado em seu nome? Como é possível que hoje existam partidos comunistas e indivíduos orgulhosos de defender a causa comunista? Como é possível não ver nisso nenhum traço de maldade ou de desumanidade para com os milhões de vítimas do comunismo?

*
Não sou ingênuo a ponto de imaginar que algum legislador abraçará a causa do título, mas um bom começo seria o esvaziamento das hostes comunistas. Concluo reescrevendo as palavras anotadas aqui:

Aos comunistas que passarem por aqui — alguém? — meu apelo é por aquele traço de realismo que ainda pode existir neles.

Àqueles que não têm mais dúvidas do engodo que é o comunismo, meu apelo é no sentido de fazer com que isso transpareça cada vez mais. Tenham a certeza de que toda vez que alguém faz um apelo por «mundo melhor» ou pela «igualdade social», é o comunismo que está em atividade — e, atrás dele, toda a criatividade de revolucionários genocidas do passado, do presente e — espero estar errado — do futuro.

Anúncios

74 comentários sobre “Pela criminalização do comunismo

  1. A-LE-LU-IAÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!
    Finalmente alguém – sem ser o Olavo de Carvalho – fala com todas as letras o que esse regime/filosofia ou o que quer que seja, realmente é.
    Eu ando tão danada da vida com esses caras que não acredito em nenhuma palavra do que eles dizem, incluindo as pausas para respiração.
    Obrigada, Christian, por dizer o que devia ser dito.

  2. Concordo em criminalizar o comunismo, devido ao que provocou no século XX, principalmente. Nazismo já é criminalizado e deve continuar sendo. Nazismo ser criminalizado por ser racista não há nada de errado, visto que “todos são iguais”, “nascem livres e iguais”, “iguais perante a lei”, e permitir nazismo seria apagar da lei e dos direitos humanos essas verdades básicas. Seus atos confirmaram até onde o racismo leva, são o prolongamento natural do racismo. O desejo máximo do racista é eliminar o objeto de seu racismo. Sobre a questão da criminalização do comunismo, enfim, acho que deveria também ser criminalizado.

  3. Mas o que mais pesou para a criminalização do nazismo foi mesmo a barbárie . Não foi à toa que surgiu depois dos horrores da 2a Guerra a Declaração Universal dos Direitos Humanos. E na prática isso ajudou a fisgar também os comunistas. ;)

  4. “Nazismo é criminalizado e matou gente. Comunismo também matou gente, então também deve ser criminalizado.”

    Falácia pura.

    Seguindo a sua lógica, o capitalismo também deve ser criminalizado. Ou regimes capitalistas nunca foram ditatoriais nem responsáveis por milhares de mortes?

  5. Comunista,

    Não é falácia, você é que é burro ou não sabe ler. A frase que você inventou é canastrice pura. A frase que você poderia atribuir a mim seria esta: «Nazismo é criminalizado e matou gente. Comunismo matou muito mais, então também deve ser criminalizado.»

  6. «Nazismo é criminalizado e matou gente. Comunismo matou muito mais, então também deve ser criminalizado.»

    Falácia pura.

    As mortes, no Nazismo, estavam atreladas à ideologia. Elas não apenas aconteceram junto do nazismo, estavam embutidas no seu próprio sistema de valores, neste caso, na idéia de purificação da raça. A mesma coisa não acontece com o comunismo e o socialismo, uma vez que os regimes ditatoriais que os acompanharam também estiveram presentes em regimes capitalistas.

    Falácia de Associação: http://en.wikipedia.org/wiki/Association_fallacy

  7. Comunista,

    vamos ver se eu entendi: você quer dizer que o genocídio que ocorreu sob os governos socialistas e comunistas foi, por assim dizer, um acidente, um efeito colateral, um detalhe que não prejudica em nada a imagem imaculada dessas práticas/doutrinas e que não tem nenhuma relação direta com elas?

  8. Socialismo não é comunismo. A União das Repúblicas SOCIALISTAS Soviéticas não foi comunista. Se pretendes conhecer o comunismo, vide Karl Marx – isto se fores capaz.

    A Igreja cristã matou diretamente e mata indiretamente bilhões de pessoas, vide Inquisição, Cruzadas, Opus Dei e afins – novamente, se fores capaz – e alguém aí falou de criminalização desta tal religião e seus respectivos símbolos?

  9. Não, em absoluto. Estou apenas dizendo que, para sustentar seu ponto de vista, você deveria provar o contrário: que comunismo e socialismo são indissociáveis de genocídio. Ou seja, que se uma pessoa defende idéias comunistas ou socialistas ela também está, necessariamente, defendendo matança indiscriminada de pessoas e, por isso, deve ser criminalizada. Seu texto não prova isso. Ele apenas dá exemplos de países que eram (ou são) comunistas e que promoveram (ou promovem) genocídios.

    Observe que quando eu digo “falácia” não é um ataque pessoal. Não estou te chamando de burro nem de mau-caráter. Mas, na minha opinião, seu argumento geral tem uma falha lógica que, numa proposta polêmica como essa, mereceria ser melhor trabalhada.

  10. deus,

    se você leu e entendeu os quatro primeiros parágrafos de meu texto, não há motivos para me dizer que socialismo e comunismo são diferentes — porque, obviamente, eu sei até onde vão essas diferenças e sei, obviamente, que a ex-URSS não era comunista.

    Quanto ao Cristianismo, eu convido você a demonstrar o genocídio causado por essa religião. Não esqueça também de demonstrar que ele continua acontecendo até hoje e que os cristãos é que são os grandes canalhas da história.

    Só para você ter uma idéia: no país em que a Inquisição foi mais cruel e assassina, foram mortas 20 mil pessoas num período de quatro séculos. O número de mortes causadas diretamente pelo formidável comunismo/socialismo cubano beira os 100 mil — em quatro décadas.

    ***

    Comunista,

    entendo seu ponto e você tem razão — não chego a demonstrar a tese que ofereço.

    A razão para não ir além é uma só: eu sei que é inviável criminalizar a apologia ao comunismo e ao socialismo e, de fato, há muitas pessoas que defendem essas práticas porque vêem nelas a promessa de um mundo melhor etc. Em outras palavras, há nessas pessoas — o intelectual que não sai da Universidade, o jovem que compra a camiseta de Che num shopping, o assíduo leitor da Caros Amigos — traços de humanidade que certamente repudiariam qualquer iniciativa racista ou genocida, como a que marcou o nazismo.

    O problema é que essa defesa baseia-se apenas numa promessa e passa longe daquilo que o comunismo e o socialismo efetivamente são.

    Comunismo e socialismo podem não ser práticas genocidas por natureza, mas tendem ao genocídio — a última instância do modus operandi esquerdista, que inclui ainda o forte controle estatal da sociedade, manipulação da cultura e dos meios de comunicação, supressão de liberdades indviduais, destruição das instituições democráticas e do Estado de Direito, totalitarismo, prisões arbitrárias, tortura, assassinato e outras práticas comuns hoje em dia em países como Cuba, Coréia do Norte e Venezuela.

    Se você observar todos os regimes socialistas (e eventualmente comunistas) que existem e que já existiram verá pelo menos uma dessas ações (provavelmente várias delas) entre as práticas oficiais rotineiras.

    Comunismo e socialismo só não recorrem ao genocídio onde ele não é necessário. E o genocídio não é necessário onde o regime conseguiu se instalar sem encontrar obstáculos — tem sido assim na América Latina, em especial na Venezuela e mesmo no Brasil.

    Concordar com o comunismo e com o socialismo significa concordar com esse rol de aberrações. Apoiar essas duas práticas significa ter a potência para tornar-se agente da «causa», do «partido» e para agir em benefício da «revolução».

    Resumindo:
    1) quem apóia o comunismo desconhece suas atrocidades e por isso deve ser advertido por defender algo que ignora ou
    2) conhece suas atrocidades e por isso deve ser punido por concordar com elas.

    Desconsidero, evidentemente, a hipótese do sujeito conhecer as atrocidades do comunismo, discordar delas e apoiar o regime mesmo assim — estaríamos, a partir daí, passando para o campo das neuroses ou do sadomasoquismo deliberado.

  11. Um bom complemento a esta discussão:

    (…) a esquerda democrática, civilizada, concorrente leal dos conservadores, já não existe mais como força política independente. Financiando e acobertando movimentos terroristas e subversivos por toda parte, e impondo sob outros nomes as mesmas políticas que seriam rejeitadas pela população se apresentadas com o rótulo de comunistas, a “esquerda moderada” é um inimigo ainda mais perigoso dos conservadores do que poderiam sê-lo os próprios comunistas de carteirinha, os quais sem ela não teriam poder nenhum.

    A diferença entre as duas esquerdas é que uma quer alternar-se no poder com os conservadores, segundo o rodízio democrático normal, enquanto a outra não se contenta em vencer esses adversários nas eleições, mas busca destrui-los completamente, marginalizá-los, criminalizá-los, expeli-los para sempre não só da política mas da vida social, quando não da existência física. Outra diferença é que a segunda é a única que existe na realidade; a outra, só na imaginação residual da direita.

    Se a esquerda ainda se prevalece da bela imagem de moderação democrática criada nos campos de batalha da Espanha, é somente para ludibriar seus inimigos. Mas que estes continuem acreditando na existência dela, e imaginem combater adversários leais quando na verdade se defrontam com revolucionários e assassinos, é algo que decorre de uma imperdoável covardia intelectual e moral, suicida como todas as covardias.

  12. Sinto dizer mas a lógica apresentada neste post é totalmente deturpada e, simplestemte, não se aplica. A comparação entre nazismo e comunismo feitos dessa maneira é falsa e o texto se baseia em generalizações até mesmo irresponsáveis (por favor, não encare como algo pessoal).

    O comunismo é um modelo econômico, portanto também social, proposto por Marx e Engels, que visa proporcionar igualdade de condições à população, ao contrário do nazismo, que é racista pela própria ideologia, direitista e capitalista. É verdade que regimes ditos comunistas mataram milhões de pessoal e isto é, sem dúvidas, condenável, mas não foi o comunismo (como de fato foi o nazismo) que matou aquelas pessoas, foi a ditadura de alguns líderes megalomaníacos e deturpadores da ideologia. As ditaduras mais sangrentas da América do Sul (Brasil, Chile, Argentina…) foram capitalistas, patrocinadas diretamente pelos Estados Unidos. A Igreja Católica matou milhares de pessoas mas não se pode generalizar dizendo que “os cristãos é que são os grandes canalhas da história”, é absurdo! Isto é por si só um pensamento nazista e os assanitatos da Igreja Católica, do nazismo, da União Soviética e da ditadura brasileira foram baseados, exatamente, em pensamentos como este e em elocubrações incompletas, generalizadas e maniqueístas como a presente no texto apresentado.

  13. Mais uma coisa. Este complemento da discussão também, pelo amor de deus. Essa visão de que a esquerda é o demonio… comunistas comem criancinhas… por favor!
    “…políticas que seriam rejeitadas pela população se apresentadas com o rótulo de comunistas, a “esquerda moderada” é um inimigo ainda mais perigoso…”
    Quer dizer, as políticas só seriam rejeitadas por que foram apresentadas como comunistas? Sem nenhuma avaliação mais aprofundada da sua validez e eficácia? É de uma ingnorância tremenda.

    Desde quando “conservadorismo” é sinônimo de preocupação social e esquerda sinônimo de baderna e esculhambação? Estes conceitos estão errados, o que há é uma diferença de pontos de vista e não uma cruzada contra o mal.

  14. André,

    não foi o comunismo (como de fato foi o nazismo) que matou aquelas pessoas, foi a ditadura de alguns líderes megalomaníacos e deturpadores da ideologia

    Quando você afirma isso, eu entendo que você está tentando me convencer de que a ideologia comunista é inerentemente boa, os líderes é que eram birutas e genocidas. Logo, o comunismo não teria nada a ver com o que aconteceu nos países em que o governo e os líderes eram comunistas.

    Ora, André, que tipo de governo foram essas ditaduras genocidas? Qual ideologia elas seguiam? Quem eram esses líderes e quais eram seus discursos? Quais eram os partidos no poder? Qual a cartilha política adotada nesses países?

    É surpreendente que você comece seu comentário criticando minha falta de lógica para logo em seguida afirmar uma baboseira dessas.

    ***

    O comunismo não se restringe a Marx e Engels. Gramsci e Marcuse também fazem parte do pacote e é impossível compreender o comunismo atual sem saber o que esses dois comunistas pensavam e propagavam.

    ***

    Sobre o trecho citado, você simplesmente não o entendeu. Se você ler o texto todo e contextualizar a citação, acredito que a idéia contida nela ficará mais clara. Se não ficar, avise-me.

    ***

    Por fim, você diz:

    Desde quando “conservadorismo” é sinônimo de preocupação social…

    Onde você leu isso?

  15. Olha, sem querer ofender, mas li esse texto no ubaweb e juro que nunca li tanta besteira fundamentada na plena ignorância de um ser. Caro Sr. Rocha, sugiro que tente arrancar um pouco o cabresto do sistema sobre sua cabeça e, a partir daí, passe a falar sobre ideais, políticas, ou governos, que parecem ser incompreensíveis por um cérebro tão restrito. Poderia contestar uns 30 pontos do seu texto com estudos e não histórias, mas sua limitação fica tão clara, simplismente, por ignorar as milhões de mortes (e tenho certeza que muito mais milhões que os milhões dos regimes comunistas)geradas, direta, ou indiretamente, por tantos governos capitalistas. E olha que poderemos fazer comparações só sobre nosso período contemporâneo. Porque o capitalismo dos mares, que foi chamado de Mercantilismo, já era capitalismo faz tempo. Mas então, nós deixamos os negrinhos e índios de lado, como deve ter o costume de fazer em sua vida, para o seu comentário não ficar ainda mais imbecil. Por final, porque não gastarei mais palavras sobre tanta asneira (e só resolvi comentar, pelo perigo de uma publicação parecer conveniente a mentes tão restritas como a sua, afinal o cabresto é do sistema), toda revolução mata. E se conseguir acordar o teco, entenda que sua revolução falsamente democrática e amplamente capitalista, mata, há muito tempo, milhões de excluídos por mês, ou os fazem matar outros milhões de inocentes por ano (Visite a África, ou suba o morro da favela em Ilha Bela, ao invés de escrever enquanto faz aikido.

  16. Saulo,

    você não é o primeiro comentarista mal-educado que critica meu texto afirmando que:

    1) o que eu disse é tudo besteira
    2) o capitalismo matou e mata mais do que o comunismo

    Sobre o primeiro item, não espero que você conteste 30 pontos de meu texto; 3 ou 4 já devem bastar para demonstrar que eu realmente falei besteira. Se sua repulsa à minha ignorância for insuportável e ela o impedir de oferecer explicações mais extensas aqui em meu site, eu peço que pelo menos indique as fontes de informação e conhecimento que você considera confiáveis e que demonstram que realmente o comunismo é café pequeno e não deve ser demonizado como propus.

    Sobre o segundo item, é patente o desvio do tópico, já que discuto aqui o comunismo, não o capitalismo. Seja como for, um bom começo seria demonstrar que é possível comparar capitalismo com comunismo e nazismo como forças genocidas do séc. XX. Se você quiser realmente considerar capitalista tudo aquilo que se fez em nome do dinheiro em toda a história do mundo, fique à vontade para demonstrar que cada ação desse tipo foi pautada pelas idéias de Adam Smith ou por aquilo que você acha que o capitalismo é em teoria.

    Obviamente, este segundo item não dispensa o primeiro, porque desvios nunca são muito bacanas e deixam sempre a impressão de que os assuntos originalmente discutidos foram deixados de lado por pura incapacidade de analisá-los e compreendê-los.

  17. Sr Rocha, não percebe que é sobre sua incapacidade de análise que me refiro no primeiro comentário. Não desvio o assunto, apenas o contextualizo ao mundo real, fator que o Sr omite em seu texto, ou por ignorância, ou por alienação, ou por pura hipocrisia. Como o senhor pode escrever sobre mortes em um regime, se faz aikido tranquilamente, sob outro regime que mata muito mais, sem falar nas crueldades secundárias impostas? No português claro vou tentar explicar melhor: Nenhuma pessoa hoje no mundo, que vive e convive dentro deste regime globalizado ocidental, conseguirá ser coerente em críticas a outros regimes, principalmente, sobre mortes e violência.
    Desculpe se pareci mal educado, mas ignorância, alienação e hipocrisia são as coisas que mais me revoltam.

  18. Saulo,

    você apenas repetiu o que já havia dito, recheando seu discurso com os clichês habituais («crueldades secundárias», «regime globalizado ocidental»…). Para deixar claro: o que está em pauta é o comunismo, não o capitalismo. Não há hipocrisia, ignorância ou alienação em criticar um regime que matou milhões de pessoas em seu próprio nome.

    O que eu estou afirmando — sem hipocrisia, ignorância ou alienação — é que o comunismo é intrinsecamente mau. Onde quer que tenha sido instalado, o comunismo só gerou pobreza, supressão de direitos individuais e, em estágios mais avançados, morte. Dê-me pelo menos um exemplo em que isso não se confirme.

    Você pode querer argumentar que há comunistas bons. Onde quer que haja um «comunista bonzinho» ou esclarecido, observe mais atentamente e você verá um capitalista que só sabe resmungar contra o capitalismo e suspirar por um regime cujo lado B eles fazem questão de ignorar — vide Oscar Niemeyer e José Saramago.

    (Apenas para não dizer que estou evitando falar do capitalismo: o dono da padaria em que você compra seus pãezinhos é capitalista, o seu médico é capitalista, o seu barbeiro é capitalista e é quase certo que você mesmo também seja capitalista. O capitalismo não é intrinsecamente mau. Não se trata de sistema perfeito, é claro, mas até hoje não inventaram nada que funcione razoavelmente e que mantenha uma mínima conexão com a realidade.)

  19. Inspirador:

    Ao contrário do catolicismo, o comunismo não tem uma doutrina. Enganam-se os que supõem que ele a tem. O catolicismo é um sistema dogmático perfeitamente definido e compreensível, quer teologicamente, quer sociologicamente. O comunismo não é um sistema: é um dogmatismo sem sistema — o dogmatismo informe da brutalidade e da dissolução. Se o que há de lixo moral e mental em todos os cérebros pudesse ser varrido e reunido, e com ele se formar uma figura gigantesca, tal seria a figura do comunismo, inimigo supremo da liberdade e da humanidade, como o é tudo quanto dorme nos baixos instintos que se escondem em cada um de nós.

    O comunismo não é uma doutrina porque é uma antidoutrina, ou uma contradoutrina. Tudo quanto o homem tem conquistado, até hoje, de espiritualidade moral e mental — isto é de civilização e de cultura —, tudo isso ele inverte para formar a doutrina que não tem.

    Fernando Pessoa em «Ideias Filosóficas».

  20. A galera mete o pau no capitalismo, mas adora dinheiro pra gastar em shopping, consumindo porcaria.

    Cansei de ver universiotários com camisa do che e comendo McDonald’s.

  21. Alô! Christian.
    A propósito, como vão os borrachudos de Ilha Bela?
    Li seu artigo “Pela criminalização do comunismo” e fiquei pasmado com o nível do texto, ou melhor, com o seu nível crítico.
    Lembro da sua participação (na internet) num “grupo” sobre política (o Alan era coordenador). Você defendia a religião de Henry D. Thoreau (Waldem ou A vida nos Bosques). Naquela ocasião você ainda não conhecia Skinner (Waldem II).
    Separamo-nos dos diálogos porque você não quis aceitar a prática dos contratos de sociabilidade. Você acreditava na pureza da espiritualidade…
    Quando separamo-nos eu fique pensativo. Afinal de contas você é um arquiteto e os arquitetos, pela própria formação, costumam ser mais abertos. O leque de discernimento dos arquitetos é bem amplo…
    Lendo seu artigo entendi que você não passou por mudanças conceituais.
    Seu texto é lamentável. A análise que você faz do comunismo e do socialismo é infantil. Não dá para acreditar que tenha sido escrito por um arquiteto.
    Com exceção honrosa da participação do Saulo Carvalho, as manifestações dos demais blogueiros são primárias, ginasianas.
    E não tem essa de “sem educação” ou mesmo de ofender. Tente analisar sua própria conduta perante seus leitores.
    Você não deve conhecer (sua busca pelo conhecimento é limitada), mas procure ler alguma coisa sobre o “Iron Guard”, organismo base do Movimento Legionário da Romênia . Talvez você possa tê-lo com inspiração para suas práticas proselitistas.
    Christian mande um abraço para o Saulo Carvalho…
    Saudações fraternas, Roland.

    (OS.:- Christian, cuidado com os borrachudos da sua querida Ilha Bela, eles estão afetando seu equilíbrio biológico…)

  22. Antes, saudações ao Roland também
    Na verdade, é um alívio saber que outras pessoas puderam observar a fragilidade do seu texto.
    Christian, uma vez um cidadão chamado Einstein disse que tudo era relativo. Não existe, portanto, nada a ser analisado de forma isolada, afinal, a relatividade prega uma referência. Não tenho o objetivo de atacar o capitalismo, sendo um falso “comuna”, como insinua preconceituosamente em seus comentários. O que tento explicar, mas é visível a dificuldade de seu entendimento, é que analisar friamente as tentativas de regimes socialistas, sem ter ciência do contexto histórico, político, econômico e social do mundo conteporâneo, acaba sendo uma reflexão incompleta, ignorante e que não faz jus a uma pessoa que teve a oportunidade de cursar uma faculdade. Quando digo que poderia contestar em 30 pontos seus comentários com nível primário, é porque te garanto que seu texto não apresenta qualquer fundamentação sobre história política e é apenas repleto de “achismos” e citações. Perceba que só nos últimos 100 anos o capitalismo de mercado teve diversas mutações e até alterações teóricas em sua base conceitual (Liberalismo, Neo liberalismo, até o atual Keynesianismo do nosso querido Obama), porém, a evolução da esquerda foi historicamente barrada, reprimida e boicotada. São dezenas de exemplos que poderia citar, mas meu texto acabaria ficando chato, pois seria difícil alguém deste blog (com exceção de Roland) ter uma base teórica suficiente para discutir este tipo de assunto. E, às vezes, fico me perguntando em que mundo o senhor vive, quando tem a pachorra de dizer que aonde o comunismo foi implantado houve geração de pobreza. Sr Rocha, aqui lhe passo um dado da ONU que tenho a certeza que não tinha idéia. São, neste momento, espalhadas pelo mundo, cerca de 30 milhões (eu disse 30 milhões) de crianças (eu disse só crianças) passando fome no mundo. Mas, oras bolas, o comunismo nem existe mais na prática e a pobreza continua crescendo. E de quem é a culpa por esse amontoado de miseráveis esfomeados. E não estou falando da fominha antes do seu almoço Sr Christian, falo de 30 milhões de crianças anêmicas, que, segundo a ONU, realizam, em média, uma refeição razoável a cada dois dias. O Sr, em algum dia da sua vida, realizou apenas uma refeição? E seus filhos, já ficaram dois dias sem comer? A manobra capitalista sempre foi esconder os reprimidos, seja na África, seja nos sertões miseráveis crescentes aqui no Litoral Norte. O sistema precisa desta alienação como por ti exposta, para continuar iludindo a massa de manobra que movimenta a máquina capitalista. A intervenção estatal é fundamental, principalmente, na promoção de igualdade de direitos e é por isso que a esquerda precisa de fortalecimento sem utopias e não de opositores hipócritas e propagadores de ignorância, como o senhor. Mas, se os favelados de Ilhabela e os outros submundistas dos sertões do Litoral tiverem igualdade de direitos, quais trabalhadores desvalorizados os empresários contratarão por apenas 3 meses de verão? Tire este tapa olho, estabeleça uma visão real, estude mais política, história e economia e só depois de tudo isso ouse escrever um texto como esse, que só conseguiu apoio de pessoas notoriamente limitadas intelectualmente, afinal, não poderia ser diferente.

  23. Saulo,

    você deixou este tópico sem responder as perguntas que eu havia feito a você em junho passado — eu havia pedido exemplos em que o comunismo não foi intrinsecamente mau e você silenciou.

    De repente você reaparece falando de dezenas de exemplos em que “a evolução da esquerda foi barrada, reprimida e boicotada” e não cita nem ao menos um. Em seguida argumenta que eu não teria bases teóricas para entender esses exemplos, ignorando o fato de que este seria um motivo para você passar longe deste texto e não lhe dar a menor pelota, muito menos postar três comentários nele — ou você quer discutir o assunto e realmente compartilha o que sabe ou não quer discutir o assunto.

    Não bastasse isso, você ainda toma o Roland como exemplo de conhecimento de bases teóricas, sendo que ele foi uma das raras pessoas que não ofereceram nenhum argumento para justificar o fato de não ter gostado de meu texto. Se você sabe o que é um argumento, concordará comigo pelo menos neste particular.

    Como você espera que eu leve você a sério?

  24. Crhistian Rocha,
    Você pede para eu expor meus argumentos “para que possamos praticar os contratos de sociabilidade”.
    1.- Não acredito, não tenho fé, na possibilidade de que você seja capaz, como no passado não foi, de praticar contratos sociais. Pelo que você deixa explícito nos seus textos, você está mais a fim de praticar “censura de pensamento” (!): “Saulo, sua resposta ao meu comentário anterior não será aprovada, por [minhas] razões óbvias (“minhas” foi acrescentada por mim, l.f.r.) Essas razões óbvias, são, obviamente, Christian, suas! Censura ideológica pura!!!
    A propósito, (perdoe minha ignorância) o que significa Q.E.D.? Eu conheço C.Q.D. !
    2.- Não há argumentos que possam ser acrescentados além daqueles acrescentados pelo Saulo Gil de Carvalho (não consigo captar o motivo que leva o Saulo chamar você de Senhor).
    Crhistian contente-se com as explicações do Saulo. Elas são pertinentes.
    3.- Pensando sobre o seu texto estapafúrdio sobre Comunismo e Socialismo, me veio a idéia de verificar seus outros textos, em particular aqueles sobre arquitetura.
    Em primeiro lugar devo esclarecer o que penso sobre arquitetura. “Arquitetura busca a organização do espaço tendo em vista o desempenho das demais (todas) atividades humanas. A atividade da arquitetura se divide em duas partes. Arquitetura dos espaços fechados (arquitetura propriamente dita) e arquitetura dos espaços abertos (urbanismo). A estética, em particular o belo, não define a arquitetura. A estética é inerente a todas as atividades humanas. Isto é, não existe atividade humana (medicina, economia, advoca-cia, comércio etc.,.etc.,etc. …) que possa prescindir da estética. E o belo não é apanágio da arquitetura. Não acredito, por exemplo, que um campo de concentração possa ser considerado belo, todavia, com absoluta certeza, é arquitetura! E por ai a fora…
    4.- A sua exposição sobre arquitetura é tão insipiente quanto sua exposição sobre política.
    Sua citação sobre os 100 anos de Oscar Ribeiro de Almeida Niemeyer Soares Filho é tão estranha quanto sua citação sobre o comunismo e o socialismo.
    Oscar Soares filho não é arquiteto, é escultor, e ponto final… (Christian, você gostou do meu tom afirmativo?). O Oscar cursou a Escola Nacional de Belas Artes na época (década de 30) em que a arquitetura era considera como sendo um ramo das “artes”. No fritar dos bolinhos ele foi formado como um artista (escultor) e não como um arquiteto. Mas isso não quer dizer muita coisa sobre e escultor Niemeyer, o pior é que ele foi, e ainda é, um libertino, um pusilâmine.. Foi criado na boêmia e freqüentava o Café Lamas e a (famigerada ?) Lapa. Oscar, num comportamento de absoluto desrespeito ao ser humano, sempre folclorizou a prostituição (mas não aceitava que a mãe dele fosse uma prostituta).
    E mais, as esculturas do Soares Filho não são arquitetura e, para o meu humilde gosto, nem belas são. Seu esculturalismo, na verdade, é kitsch!!!.
    5.- Conclusão: Christian, você não se salva nem mesmo por suas idéias a respeito da arquitetura. O conjunto dos escritos da seção “arquitetura” caminha no mesmo diapasão da seção “política”.
    A propósito, o Oscar foi barrado na Fauusp como professo, apesar de que na época a Fauusp era dominada pelos famigerados (segundo o seu critério) comunistas (você se recorda do Artigas? Era o guru dos fauuspianos.)
    6.- Christian, você precisa se atualizar, se reciclar, assim não dá…
    Saudações fraternais, Roland.
    (PS.:- Christian, por favor, abandone a prática da censura, pega mal.)

  25. Roland,

    não lhe devo satisfações sobre o que faço em meu blog. Devo lembrá-lo apenas de duas coisas:

    1) você não sabe por que bloqueei o comentário do Saulo, portanto, não tem condições de dar uma opinião consistente sobre isso.

    2) não faço e nunca fiz ‘censura’ ideológica, não censuro pensamento e não bloqueio leitores por escreverem mau, por discordarem de mim ou por torcerem por times que eu abomino.

    Q.E.D. significa “quod erat demonstrandum”, que é sinônimo de C.Q.D.

    A respeito de sua opinião sobre o que penso e escrevo sobre arquitetura, será um prazer responder seus comentários desde que vocês os publique no lugar adequado. Todos os meus escritos sobre arquitetura estão abertos a comentários. O presente tópico trata do texto que escrevi sobre o comunismo, não sobre arquitetura.

    Saudações.

  26. Christian,
    Como da última vez (no grupo de política), você encerou o diálogo com chave de ouro!
    De qualquer forma, você fica me devendo, sim, satisfações. O blog é seu, mas o espaço de diálogo do wordpress é público. Você não consegue mesmo respeitar os contratos sociais. Por certo, nem consegue entender o que seja “contrato social”.
    1.- Nâo interessa saber porque você bloqueio o comentário do Saulo. E, ainda mais, a opinião é minha, não é sua. Eu poderia não dar, a você, o direito de desqualificar e minha opinião e censurá-la, mas não vou censurá-lo como você fez com o Saulo. É pura infantilidade da sua parte essa postura narcisista que você assumia no passado e continua assumindo no presente.
    2.- Você praticou, sim, censura ideológica. Censurou o pensamento de um participante por discordar do seu comportamento reacionário. E não venha também com essa idiotice de “escrever certo ou errado”.
    Christian, esse seu comportamento de extrema direita pega mal (pega muito mal!!). Você entendeu o que eu quiz dizer?…
    3.- Li seus escritos sobre arquitetura e já fiz os comentários cabíveis no espaço do seu blog que achei que cabiam.
    Meus comentários cabe em qualquer espaço do seu blog e não está sugeito a sua burocracia estrutural.
    4.- Christian. lembre-se, o seu blog, como de qualquer outro blogueiro, é publico. Assuma esse fato social (leia contrato social)!
    5.- Se você tiver um pouco de respeito por seus leitores, publique o comentário do Saulo que você, inadvertidamente, censurou
    Fraternais Saudações.
    Roland.

  27. Roland,

    1) Eu não devo satisfações a você. É bem simples.

    2) Você não pode me acusar de censura ideológica pelo simples fato de não saber o que me levou a bloquear um comentário de outro leitor. Pior: você não sabe, admite que não tem interesse em saber e mesmo assim quer emitir um juízo sobre isso. Você só pode estar tirando com a minha cara.

    3) Um blog é público. A participação nele e a administração não são. Se você tem um blog, se já teve um ou se sabe como funciona um, é capaz de compreender isso.

    Recomendo que você deixe este assunto de lado e retorne ao tema do texto. Se você faz muita questão de discutir assuntos administrativos, mande-me um email. Nesta área de comentários só serão aceitos comentários relacionados ao assunto abordado no texto.

    Grato pela compreensão.

    PS.: Eu não vou publicar o comentário bloqueado justamente porque tenho respeito pelos meus leitores.

  28. Socialismo sempre me pareceu utopicamente mais justo – todos são iguais e tal…
    Mais sabemos que sempre vai ter um porco mais porco que os outros.
    Acho que homens funcionam como cães/lobos sempre tem um lider da matilha e este não é justo. Reina pelo medo e opressão e sempre fica com o melhor pedaço de bife (pra mostrar quem manda). Claro que em troca facilita a vida de toda matilha fazendo com que não tenha que pensar por si. (seguem o grupo no piloto automático)
    Pra mim um sistema que manda queimar livros é no mínimo suspeito…

  29. Duvido que a maioria dos seus leitores tenha entendio tudo que foi comentado aqui, a partir do seu texto. Mas uma coisa ficou muito clara, até para quem não tem raciocínio abstrato: a falta de educação, de gentileza e, principalmente de delicadeza nas críticas.
    Criticar deve servir como feedback, não como ataque pessoal.
    Lamentável, tanta polêmica em torno de uma opinião.
    Se estivéssemos sob um regime declaradamente comunista… você iria para o paredão…

  30. complementando meu comentário…
    quando digo que a maioria dos seus leitores pode não ter entendido…refiro-me às demonstrações de “sei mais que você”…, desnecessárias e confusas…principalmente porque não citam as fontes de “tanto conhecimento”…

  31. Capitalismo, Socialismo, Nazismo, Comunimo e até Catolicismo.
    O problema é um só:

    Poder.

    Viva o anti-poder
    (anteção, eu disse anti-poder e nao contra-poder!)

  32. Nossa, como vc gosta de ofender gratuitamente!
    Atacou a minha pessoa de forma baixa e sem argumentação nos dois comentários que fiz, sendo que eu falei do assunto e não de você!

    Bom eu estudo, estudo muito.
    E não parei na cartilha de história do colegial.

    Talvez não bebamos das mesmas fontes.
    Você já ouviu falar de PeterPalPélbart? Negri e Hardt?
    Se quiser algo menos contamporâneo pode ser Deleuze e o velho Foucault mesmo.

  33. Olá à todos!

    Descobri por acaso este artigo no Google, e resolvi deixar meu comentário, sob meu ponto de vista, mas primeiramente tenho que falar um pouco sobre mim, para tornar mais fácil o entendimento de meu ponto de vista.

    Confesso que desde meus tempos da graduação em Direito sempre tive uma grande admiração pelo marxismo, por ter nas ideias de Marx, algo mais próximo da realidade que vivi nas periferias de são paulo, onde lutei por um lugar ao Sol literalmente.

    Me aprofundei nas pesquisas a respeito, e quando estagiei na area criminal, tive a oportunidade de conhecer o lado da exclusão social que gera a marginalização do individuo e posteriormente sua criminalização pelo Estado.

    Este contexto que percebi ao redor das regiões periféricas e na população carcerária, transformou-se em tese de graduação: A FUNÇÃO SOCIAL DO CÁRCERE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA.

    Nela mencionei o fato de pessoas que não possuem poder aquisitivo, não possuem estudo adequado e não exercem a principal função que o capitalismo nos delega, que é consumir, são MARGINALIZADOS, e estão a um passo de serem CRIMINALIZADOS.

    O capitalismo também mata milhões todo ano, pois na busca de dinheiro, lucros, capital… criam-se as redes de narcotráfico, quadrilhas de assaltantes, crime organizado, sequestros e muito mais.

    Milhões de pessoas morrem todo ano, sejam por causa da violência gerado por assaltos e tráfico de drogas no Rio de Janeiro, ou pela extração clandestina de Ouro no Suriname, de Diamante na Africa, de loterias na Inglaterra, ou de tráfico de espécies na Amazônia e etc.

    A pessoa que te assalta sob efeito de drogas, é um pequeno elo nessa complexa engrenagem gerada pelo capitalismo.

    Na tese de minha pós aprofundei este assunto, e quantifiquei o quanto o capitalismo ganha com o crime, no estado de São paulo.

    Sou socialista, mas não tenho uma visão romântica a respeito, mas sim uma visão humana, social e com base nos ideias de liberdade do individuo, de Direitos Sociais plenos e de respeito as diferenças.

    Portanto, não vejo motivo pra tornar o comunismo uma espécie de praga no mundo, por um simples fato: O CAPITALISMO MATOU BEM MAIS GENTE, EM RAZÃO DE CAPITAL, PODER E LUCRO.

    Agradeço ao autor do blog pelo espaço democrático, e convido à todos a conhecer meu blog em http://www.comideiaseideais.blogspot.com

    Abraços,
    Márcio Ribeiro
    marcioribeiro.jus@globo.com

  34. Marcio,

    entendo seus argumentos e agradeço o comentário, inclusive por sua extensão (o que demonstra seu interesse em enriquecer o debate), mas acho que não os entendi completamente.

    Eu entendo que uma pessoa sem poder para consumir torne-se de algum modo marginalizada, mas não entendo como isso possa criminalizá-la. O que a criminaliza realmente são suas ações e suas escolhas, não sua condição social. Tanto isto é verdade que a maioria dos pobres simplesmente não comete crimes e não pretende cometer.

    O mesmo vale para o criminoso que age sob efeito de drogas. Explicar essa atitude como conseqüência do capitalismo e colocar esse crime em sua conta é abusar do non sequitur. Não dá pra engolir. A única coisa que liga uma coisa à outra é a sua vontade de atacar o capitalismo e de defender o socialismo.

    Além disso, você se refere a poder, lucro, capital e pela busca incessante por estas coisas como se elas fossem exclusividade dos países onde o capitalismo predomina ou como se elas não causassem problemas nos países comunistas e socialistas. Ou você crê que um país socialista ou comunista prescinde destas coisas?

    *

    Caso o seu trabalho esteja disponível online, por favor indique o link. Talvez ele possa complementar seu comentário.

    Obrigado.

    Abraços.

  35. “A intervenção estatal é fundamental, principalmente, na promoção de igualdade de direitos” ….

    Frases assim me dão arrepios…

    Nossa!!! Christian como você aguenta? ataques sem argumentos, deviam do assunto, passam pela arquitetura e pessoal e ainda idolatram o besta do Marx (que disse antes de morrer: “eu não sou marxista”)

    será que os comunistas de plantão vão gostar quando a internet for censurada (China e projeto de “querido” Obama) ou quando o governo tomar a sua empresa em nome do povo!?

    Como podem acreditar que existe algo melhor que a liberdade que um estado mínimo e com poder limitado pode garantir!?

    e ainda se acham de inteligência superior…
    até eu que sou principiante no assunto vejo claro!
    Cuba Bolivia Venezuela breve Brasil ….
    Vamos pro buracooooooooooo!
    Cadeia para os comunistas!

  36. Os problemas sociais que temos não são fruto de injustiças mais sim de governos corruptos ineficientes e interessados em manter o povão burro e manipulável para roubar a vontade! Está claro que rico como é, o Brasil é subdesenvolvido por uma simples má gestão do governo!

    Se fossemos estados independentes como era EUA, com poder não centralizado, o roubo seria bem mais limitado e governos locais seriam muito mais eficiente em melhorar a vida das pessoas. (sem passar por interesses e mensalões de Brasília)

  37. Marie,

    sempre bom ler seus comentários. É isso aí mesmo.

    Eu agüento comunistas e socialistas porque se não os agüentasse fatalmente agiria como eles. Diante de um opositor que eles não conseguem calar, esquerdistas simplesmente passam a borracha no sujeito, o eliminam ou o banem dos debates.

    O que os esquerdistas não percebem é que estão construindo a própria cela ao brigar por governos que não darão a mínima por eles. São massa de manobra e não têm noção do que é liberdade.

  38. “esquerdistas simplesmente passam a borracha no sujeito, o eliminam ou o banem dos debates.”
    Isso é piada né? Quem aqui foi eliminado do debate? Por quem?
    E Marie, infelizmente, ou felizmente, é notória sua condição de “principiante no assunto”.

  39. Saulo,

    não, não é piada. Países socialistas fazem isso regularmente. O Brasil segue essa direção. Aqui em Pindorama a esquerda — o PT, sobretudo — nunca soube lidar civilizadamente com opositores.

    Isto não esgota a discussão, claro, mas serve para ilustrar o que quero dizer.

    A propósito, acusar outrem sem argumentos não é permitido por aqui.

  40. “Saulo, sua resposta ao meu comentário anterior não será aprovada, por razões óbvias.” (cadê os argumentos e a liberdade de expressão pregada por ti?).
    “até eu que sou principiante no assunto vejo claro!” não estou acusando estou reforçando a opinião já manifestada. Não é preciso provas, quando o réu é confesso.

  41. Saulo e Roland já que gostam tanto de comunismo se mudem para Cuba e levem o chico buarque e o niemayer junto! Aliás nem precisa… com a nova presidenta que elegeram breve a Venezuela vai ser aqui! Voltem em 1 ano aqui no blog, pregar as benesses conquistadas do socialismo petista! (como a PNDH3, censura na imprensa, educação sucateada….)

  42. Não defendo o comunismo, só acho que precisamos e podemos tirar e agregar as coisas positivas de tal política. Acho também que tais iniciativas melhorariam (e já melhoraram) o sistema sócio-econômico de países da América Latina, principalmente, aqueles onde a escravidão foi oficial por mais de 400 anos. Infelizmente, os resquícios culturais de tal crime xenofóbico, cometido por capitalistas colonialistas, ainda estão implícitos nas ideologias de gente formada por alienação.
    Acho ainda que criticar o governo petista dos últimos anos somente agora nas eleições é cometer notória hipocrisia de defender aqueles que foram piores. A equação é básica e o povo a fez nas urnas. Se quiser chorar, faz na cama que é lugar quente.
    Sobre educação, inaceitável é o Estado mais rico da Federação apresentar a mesma mediocridade nacional, estimulada principalmente pela forma de gestão do setor, que dá a governantes incompetentes de Estados, como São Paulo, a responsabilidade sobre o futuro da nação . Isso é vergonha. Ainda bem que o Lula fortaleceu o Prouni e outros incentivos de competência federal do ensino superior. Ou então, governadores como Serra e Alckmin teriam afundado o território que deveria ser o antro de conhecimento nacional (mas até isso a falsa soberba está fazendo perder para o Nordeste)
    OS: O arquipélago teve desempenho menor em todas as avaliações da Prova Brasil de Ensino Básico 2009. Ensino fundamental é responsabilidade de: Prefeitura, Governo do Estado e por último União. Tá batendo na porta errada querida! Falta-lhe instrução.

  43. Esse pessoal comunista é muito burro mesmo e canalha mesmo.
    Como cálculo econômico qualquer pessoa que sabe fazer contas já sabe que é uma fantasia: economia comunista é uma impossibilidade no mundo real, onde 2 + 2 = 4. Teoria e historicamente (principalmente historicamente) provado.
    Como ordem social é igualmente ridículo. Comunismo não é só uma teoria econômica, como o capitalismo, é todo um sistema de engenharia social para alterar e regular toda a sociedade e todos os seus indivíduos. A natureza ditatorial do comunismo está presente nos seus dogmas e premissas assim como a “superioridade racial” está no nazismo. Os milhões de mortos não foram um acidente, foram a própria concretização do plano comunista.
    É sempre esse papo furado de que aquilo foi um acidente, que podemos tentar de novo, que na próxima vai dar certo, e aí é de novo miséria, repressão, assassinatos em massa, perseguição.
    Que saco isso, até quando vamos ficar dando “chances” pra eles provarem que tudo que aconteceu de errado foi “só” um acidente de percurso? Eu não quero a merda da humanidade perfeita deles.
    Karl Popper uma vez disse algo muito real, “todos que nos prometeram o paraíso na terra só nos entregaram o inferno.”

  44. O Saulo é engraçado. Repete com ares de erudito os mesmos clichês que eu repetia, como um macaco treinado, com 17 anos. Ou seja, o nível de argumentação dele é de um adolescente doutrinado sem muito conhecimento, a não ser algumas frases prontas de antemão.
    Se ele pesquisasse, iria descobrir que o ensino no Brasil decaiu até a companhia dos piores do mundo. A produçao científica brasileira, que recebe boladas gigantescas de dinheiro, está perdendo relevância para o resto do mundo (o número de “citações por artigo” dos trabalhos brasileiros cai mais a cada ano).
    São Paulo é o estado com os melhores índices de educação do país (junto com SC e RJ).
    SC tem o melhor IDH do Brasil (tirando Brasília, óbvio), e aqui a canalha petista nunca se elegeu, e nas prefeituras por onde passaram, nunca mais voltam.

  45. Em primeiro lugar eu gostaria de esclarecer um fato referente ao termo muito usado na discussão aqui, “comunismo”. O comunismo, como proposto por marx, seria uma fase avançada do regime socialista, onde não haveria a presença do estado, e portanto de um governante, ditador, ou seja lá como se prefira chamar. Partindo dessa idéia vemos que de fato, NUNCA existiu um país comunista na história; as ditaduras ditas comunistas, eram nada mais que regimes socialistas ditatoriais. Essa confusão quanto a nomenclatura, acontece pela divisão que ocorreu entre os pensadores de esquerda. No inicio do século XX, alguns pensadores começaram a questionar as formas de se chegar ao socialismo, defendendo a idéia que não seria preciso uma revolução, como defendiam os marxistas ortodoxos.
    Esses pensadores, eram chamados de socialistas reformistas, enquanto os ortodoxos eram chamados de socialistas revolucionários. Após a revolução russa, ouve uma divisão entre os pensadores de esquerda. Os socialistas reformistas adotaram o nome de “social democratas”, e os socialistas revolucionários adotaram o nome de “comunistas”.

    Voltando à discussão(capitalismo x socialismo); acredito que ambos os regimes tem seus defeitos. Os do capitalismo são claros, vemos os efeitos disso diariamente; milhões de pessoas morrem de fome, ou vivem abaixo do limiar da pobreza, simplesmente por falta de oportunidades, o que é uma consequencia do regime capitalista em que vivemos, que preza a lei do mais forte, ou lei do mais apto. A questão é que o capitalismo ter seus defeitos, não torna o socialismo o regime ideal. Este, tem muitas falhas, que podem ser analisadas voltando um pouquinho no tempo, e vendo no que deu TODAS as tentativas de se implantar um regime socialista. Mas, a falha socialista não se dá somente nisso, nas ditaduras anteriores. Já foi provado por ludwig von mises, e também por friedrich hayek, ambos economistas, que uma economia socialista é inviável. A verdade é que pensar como seria uma sociedade baseada no socialismo, é bonito, é legal, dá uma idéia de justiça e igualdade, mas temos que ser realistas, e pensar no que é viável, no que é possivel para mudar e melhorar o mundo em que vivemos.

    Apesar de não concordar com a ideologia socialista, acredito que nem tudo o que marx escreveu são falacias. As idéias dele, foram uma grande contribuição para as areas da economia, política, filosofia, etc. O ideal seria saber usar isso como uma forma de ‘aperfeiçoar’ o modelo de sociedade em que vivemos. Saber extrair o melhor da ideologia de esquerda, e o melhor da de direita para atingir o progresso.
    O filósofo alemão Hegel, já dizia que toda a tese, seria seguida por uma antítese, e que, após estas duas surgiria a síntese, que extrairia o melhor de cada proposição, como forma de se atingir o progresso e o desenvolvimento. Para ele, era dessa forma que o desenvolvimento da humanidade caminhava. A síntese mais tarde se tornaria uma tese, e então surgiria uma antítese para ela.
    Olhando dessa forma podemos dizer que o capitalismo seria uma tese, e o socialismo sua antítese. É preciso encontrar a síntese dos dois, sabendo retirar o que há de melhor de cada um. O economista john mayard keynes, pode ser visto de certo modo como o criador dessa síntese. O modelo keynesiano propõe uma intervenção contínua do estado sobre a economia, de modo a reduzir os efeitos negativos do capitalismo(fome,desemprego…), mantendo uma sociedade de pleno emprego. Do pensamento keynesiano se originou o chamado welfare state, ou estado de bem estar social, que é exatamente isso, o estado intervindo e regulando a economia. Países como suécia, dinamarca, noruega e finlandia tem o sistema do welfare state implantando em suas economias, e é do conhecimento de muitos, que estes paises estão entre as nações com menor desigualdade e desemprego do mundo

  46. Cristian, parabens, vc definiu perfeitamente os comunistas.Conheço muitos e eles fazem de tudo para se manterem no poder. Na realidade usam a massa para se auto-promoverem. Negociam com todos seja qual partido for. São desonestos, com excessões, é claro. Política, para mim, é algo sagrado pois mexe com o sentimento humano, com vidas humanas.

  47. Obrigado pelo seu comentário, Jota.

    Concordo que a política é algo muito importante. O problema é que para a maioria dos próprios políticos trata-se apenas de mais um meio de enriquecer. E nisto, aliás, a turma da esquerda é craque.

  48. Olá Christian,
    acho que discordar do comunismo é algo válido. Eu mesmo não concordo plenamente, acho um sistema tão imperfeito quanto o capitalismo. No entanto, criminalizar são outros quinhentos.
    O capitalismo mata tanto ou mais do que o comunismo. A diferença é que, no comunismo, há um poder claro e definido matando, enquanto o próprio funcionamento do capitalismo é quem mata. Isso não é necessário no capitalismo: há algumas alternativas que tentam reduzir os problemas e, com isso, fazer com que menos pessoas morram. A maioria delas, na prática, dá poucos resultados. Da mesma forma, os postulados comunistas, no discurso, não envolvem genocídios após o sistema ser estabelecido (naturalmente, como já citado, toda revolução envolve mortes – inclusive a francesa).
    O número absoluto de mortes acaba não sendo tão relevante, também. Mais soviéticos morreram durante a invasão nazista do que paraguaios durante a Guerra do Paraguai. Proporcionalmente, porém, o prejuízo maior foi do Paraguai. Da mesma forma, os mortos pelo nazismo não são uma cifra tão menor do que os dos países comunistas, individualmente. É esperado que mais pessoas morram onde mais pessoas vivem.
    Outro ponto é que tanto no texto quanto em alguns comentários, você defende que não há diferença prática entre o comunismo e o socialismo, apenas teórica – e enfatiza que o texto se dirige às experiências reais. No entanto, em dado comentário, diz que muitos regimes criticados por serem capitalistas não se baseiam nas idéias de Adam Smith. Bom, a maioria das experiências socialistas, comunistas ou assim chamadas não se baseia nas teorias comunistas, como você mesmo aponta.
    Por fim, o argumento central de seu texto (também enfatizado por você nos comentários) é que o comunismo seria inerentemente (palavra perigosa) ruim pelo resultado prático de suas experiências e que, portanto, deveria ser criminalizado. Isso só se sustenta se considerarmos os países comunistas como isolados de um contexto internacional maior. É o equivalente a dizer que Cuba é um país pobre e ignorar o bloqueio econômico. Há um conjunto de países que em comum se opõe a alguns valores predominantes no ocidente, mas possuem menor poder político, econômico e militar e, por isso, estão mais sujeitos a influências externas de países mais bem estabilizados e com mais poder de ação. Isso pode ser aplicado tanto aos comunistas como aos islâmicos e outras tantas ditaduras na África e no Oriente Médio. A esses, há a alternativa de proteger os próprios ideais massacrando a população que discorda, seduzida por um discurso externo, ou se tornar mais um país do chamado “terceiro mundo”, esperando a oportunidade de se tornar “emergente” economicamente, mesmo que ditaduras como a de Kadafi mantenham melhores condições de vida para a população (note que o IDH da Líbia durante a ditadura era maior que o dos países “livres” da África). Não estou, com isso, afirmando paranoicamente que o comunismo genocida é um fruto do capitalismo, mas que disputas externas influenciam a política interna, devendo todos os casos serem analisados dentro de um contexto maior do que as ações dos líderes formais.

    (um adendo: os textos que você cita são de outros autores que nitidamente discordam dos regimes comunistas. Acho que seria mais proveitoso, para enriquecer seus argumentos, ler autores comunistas, inclusive que participaram de experiências reais, como Lênin, e achar falhas no raciocínio deles)

  49. Eu estava disposto a ler seu extenso comentário quando me deparei com isto:

    O número absoluto de mortes acaba não sendo tão relevante, também.

    Isto demonstra que você não está disposto a discutir a realidade. Ou, pelo menos, quer discutir a realidade que lhe interessa — como se «prejuízo» equivalesse a «morte».

    Da mesma forma, é ilusória a idéia de que autores comunistas tornariam meus argumentos mais ricos. A única coisa que autores comunistas fazem é defender o comunismo e, se de fato se colocam e são destacados como «autores comunistas» que tipo de isenção e riqueza trariam para um debate? Na mais bondosa das hipóteses são prosélitas dispostos a mentir descaradamente para ampliar seu clube de genocidas. A distância entre o discurso cor-de-rosa de quem quer empurrar o socialismo goela abaixo e a realidade dos países socialistas é tão grande, mas tão grande, que é impossível tomar socialistas a sério: tomo-os como exemplo de picaretagem ideológica explícita.

    O que torna alguns autores que cito interessantes não é o fato de serem anti-comunistas, mas o fato de terem se tornado anti-comunistas depois de terem sido comunistas por alguns anos de suas vidas.

  50. Confesso que não entendi a “realidade que lhe interessa”, nem a comparação entre “prejuízo” e “morte”.
    Se você quer discutir realidade, entenda que ela é maior do que o que o que aconteceu num dado país, num dado momento. Há relações geográficas e temporais muito maiores do que isso.
    Sugeri, também, a leitura de autores comunistas para que você pudesse pensar um pouco sobre seus argumentos e suas relações com a (ou as) realidade(s); isso poderia, inclusive, fortalecer sua argumentação contrária, de uma forma mais sólida que repetir textos de anti-comunistas.

    Mas, enfim, foi-se o tempo que eu te levei a sério…

  51. «A realidade que lhe interessa» e «como se ‘prejuízo’ equivalesse a ‘morte’». Estas duas expressões fazem referência a esta frase sua:

    O número absoluto de mortes acaba não sendo tão relevante

    Se você não percebe a relevância do número absoluto de mortes, então não está apto a discurtir a realidade. Se declara que mais pessoas morreram na ex-URSS do que na Guerra do Paraguai e que, apesar disso, o «prejuízo» do Paraguai foi maior do que o da ex-URSS, está afirmando que a perda de vidas tem um peso menor do que outras perdas (por exemplo materiais, políticas etc.) na avaliação final dos danos numa guerra ou num conflito qualquer.

    Por exemplo, a ditadura cubana matou quase 100 mil pessoas em quatro décadas. Em duas décadas de ditadura militar no Brasil, foram menos de 500 mortos. Porém, intelectuais, opinadores, teóricos e a mídia em peso sequer se atreve a chamar o regime cubano de ditadura, ao mesmo tempo que não economiza bile para (até hoje) detonar o período dos governos militares no Brasil. Esse pessoal gosta de genocida. E você, se realmente não vê diferença entre número de mortos, também gosta.

    Uma realidade de mais de 100 milhões de mortos é grande o suficiente para você? Eu não me refiro a mortes que são atribuídas a uma ideologia mediante malabarismos retóricos e interpretativos. Eu me refiro a mortes causadas diretamente por países que adotaram o socialismo ou o comunismo como sistema sócio-político-econômico-cultural formal. Se tiver dúvidas sobre isso, encontrará links em meu artigo.

    Sobre autores comunistas, aquele que é considerado o maior deles — Marx — era uma besta quadrada. Um exemplo:

    Karl Marx assegura que só o proletariado, por ser a última e extrema vítima da alienação, pode apreender realisticamente o curso inteiro do processo alienante e, por isso, libertar-se dele. Só o proletariado, em suma, tem adequada consciência histórica. Mas não é mesmo uma coisa extraordinária que o primeiro, logo o primeiro a personificar essa consciência proletária seja um burguês? Não digo que isso seja impossível, mas, à luz da teoria marxista, é uma exceção notabilíssima e improvável. Karl Marx passa sobre ela com a maior inocência, sem nem de longe notar um desvio de foco, uma paralaxe entre o personagem que representa e o conteúdo das suas falas. No mundo de Karl Marx, não existe Karl Marx.

    Se o próprio fundador do monstrengo teoriza dessa forma e deixa escapar detalhes que invalidam TODA sua teoria, o que esperar dos autores que decidiram se inspirar nessa palhaçada?

  52. Caro Christian, Salve Maria! Sou Catolico , Apostolico e ROMANO(frisei o Romano por ser fiel ao Papa de Roma).Ainda que nao possua formacao e diplomacao academica gostaria de deixar expressa minha sincera concordancia com tudo que tenho lido de sua parte.Somente uma posicao sincera e irredutivel contra a ideologia comunista pode ser de fato aceita por um catolico, uma vez que inumeros pontifices desde Leao Xlll ( cognominado de o “Papa Social”) ate o atual, nao deixam duvidas a respeito da verdadeira posicao da Santa Igreja frente ao capitalismo ( mal menor mas, ainda assim um mal) e o comunismo (esse sim , mal com o qual nao ha acordo possivel, meios termos e composicao de forma alguma realizavel).Dito isto, somente a titulo de alerta aos “navegantes de primeira viajem”: dentre os mais daninhos e perigosos inimigos dos catolicos sera sempre esse ( “catolico”) que acredita ser possivel o impossivel, ou seja, algum aproveitamento da ideologia intrinsicamente ma do comunismo e a Doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo perpetuada e sabiamente ensinada pelo Magisterio da Santa Igreja . O que acabei de escrever e a tal ” teologia da libertacao” nao e mera coincidencia, alias, essa T.L. devidamente condenada pela Santa Igreja. Deixo aqui meu fraternal abraco em Cristo Nosso Senhor, ate a proxima!

  53. certa vez li algo perfeito:

    “dicutir com um socialista é como jogar xadrez com um pombo: não importa seus argumentos, o pombo vai derrubar as peças, defecar no tabuleiro e sair voando cantando vitória”

    hahaha

  54. É ridículo atribuir ao capitalismo o fato de pessoas morrerem de fome na África! As pessoas na África morrem de fome pelas características geográficas não permitirem plantio e vida animal suficientes combinado com a falta de poder econômico. O que quero dizer é que a única forma de compensar os desafios das condições geográficas seria investimento de empresas no local, ou seja justamente o capitalismo. Quanto mais empresas, melhores as condições de vida da população ao redor através de geração de empregos, renda, progresso etc… O capitalismo não é o problema e sim a solução.. O capitalismo não mata ninguém! Outro absurdo é dizer que o capitalismo mata através do tráfico de drogas kkkkk como se não existem drogas em países socialistas, só rindo mesmo ….

  55. é incrível como defensores do socialismo comunismo não expõem argumentos, isso por si só já prova que estão errados.
    Em vez disso, mudam de assunto ou dizem que seus argumentos provados são mentiras, ora o próprio Marxs disse em seu livro que para implantar o comunismo teria que mata populações inferiores, isso não é genocídio racial ou de classes?
    Mentir é parte intrínseca do pensamento de esquerda que defende o socialismo comunismo, não tem como ter um debate sério com mentirosos.
    A unica coisa que temos que fazer é acusar esse pessoal de seus crimes, acusar e acusar e acusar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s