Para registrar

atolado

— O socialismo é inerentemente mau. O capitalismo, não.

— O ateísmo militante é inerentemente mau e burro. A Igreja Católica, não.

— Todo defensor da consciência racial é racista. Óbvio.

— Não há a menor possibilidade de ser anti-tabagista de um lado e defensor da liberação da maconha de outro. Óbvio.

— A imprensa brasileira não presta. Papel, imprensa, rádio, internet — nada escapa.

— A TV brasileira é degradante. As exceções são tão óbvias e raras que a regra salta ainda mais aos olhos.

— A política brasileira é o ópio do povo. Quem está sujo de lama não nota os respingos que vêm de Brasília.

— Não existe alta cultura no Brasil. Isto depende da existência de pessoas imunes à cultura de massa em número suficiente para ter alguma expressão nos meios de comunicação.

— Num país com 40 mil 50 mil homicídios por ano e recordes de burrice nos indicadores educacionais, não resta dúvida: o pior do Brasil é o brasileiro.

— Na obra de Olavo de Carvalho — livros, estudos, apostilas, cursos e seminários — reside direta ou indiretamente toda esperança de que um dia este país seja um lugar decente. É irônico e compreensível que o filósofo não viva no Brasil.

Organize os itens acima, compreenda-os à luz de seus próprios hábitos (inclusive intelectuais) e relacione-os uns com os outros. Em seguida mexa seu traseiro e faça algo. Se a única coisa que você pode fazer é escrever ao seu vereador ou ao jornalzinho do seu bairro para cobrar inteligência e ética, faça pelo menos isso.

As ações afirmativas, o politicamente correto, a novilíngua, o espírito revolucionário (aquele que se arroga o monopólio do futuro) e o esquerdismo patológico (expressão que é quase um pleonasmo) podem estar acontecendo bem aí ao seu lado. Deixados livres para agir e expandir-se, será mera questão de tempo até que você se torne mais um escravo. Não haverá mais território seguro e livre dessas pragas.

.
link da imagem

Anúncios

17 comentários sobre “Para registrar

  1. Só para registro também: o índice de homicídios anuais no Brasil é, segundo o Ministério da Justiça, 48 mil ao ano – e não 40 mil como você postou. A situação é mais grave, sobretudo, porque este número veio com uma queda de 20% em relação ao anterior, mas nem a ONU acredita nesta diminuição. Insinua que foi inserida através de “maquiagem”. E isto quer dizer que, achando um corpo perfurado com 15 tiros, na estatística entra como uma morte natural se as investigações não apontarem nenhum suspeito pelo homicídio.

    Ainda assim, registre-se: 48 mil homicídios anuais. E, segundo a Anistia Internacional, todas as guerras em andamento no globo, causam cerca de 52 mil mortes por ano. Uma boa pauta para os pensamentos que se iniciam com uma nova semana.

    Abraço!

  2. Obrigado pelo comentário, Tenkai.

    Não vejo o que pode haver de relativo na classificação de objetos plenamente conhecidos.

    O socialismo deixou de ser teoria há quase um século, não há dúvidas de qual é sua natureza, de quais são seus resultados, possibilidades, perspectivas. O capitalismo também já é praticado há muito tempo. Não é difícil avaliá-los e chegar à mesma conclusão que expus no primeiro item.

    Avalie-os por si e depois me diga se você encontrou algo que contrarie minha afirmação. Não descarto a possibilidade de ter deixado passar algo em minha análise.

  3. De certa forma, praticamente todas as formas de socialismo vista até os dias de hoje poderiam ser considerado como mau se analisassemos que proporcionou mais coisas ruins do que boas. Mas em sua essência diríamos o contrário. Assim como se fossemos analisar o capitalismo pela ótica da sustentabilidade iríamos chegar à conclusão que ele é mau para sociedade. É tudo uma questão de ótica.

    A verdade é que não há nada tão ruim para uns que não seja tão bom para outros. Por isso a relativização.

    Alías, não podemos nos esquecer que o socialismo é apenas o meio para se chegar ao comunismo, portanto não há como contrapor o socialismo com o capitalismo tendo em vista que este é um sistema e aquele um meio.

    Talvez a questão seja, devemos analisar os sistema ideologicamente ou pela sua (má) execução?

  4. Tenkai,

    evidentemente, pela execução. Não há outra forma de avaliar um sistema a não ser por aquilo que ele faz e é realmente.

    Uma pessoa que investiu todo seu dinheiro num banco e em seguida viu esse banco quebrar, junto com o dinheiro investido, certamente achará que o capitalismo é muito ruim. Os diversos pontos de vista devem ser contabilizados, listados, avaliados — daí vem o senso das proporções e deste senso é que vem a avaliação justa dos sistemas, objetos, ações, políticas etc.

    O ambiente de beligerância econômica é uma das desvantagens do capitalismo em alguns países. Nos países socialistas, esse problema não existe; em compensação, também não existe a possibilidade de enriquecer.

    Pela óptica da sustentabilidade e da conservação do meio ambiente, seguindo o exemplo que você citou, o capitalismo é ruim. Pela mesma óptica, o socialismo é bem pior (v. China e Rússia, onde as condições ambientais já eram ruins mesmo antes das respectivas aberturas econômicas).

    O Nazismo deve ter sido muito bom para muitos alemães. Certamente não o foi para a maior parte do mundo e, obviamente, foi péssimo para 6 milhões de judeus.

    Faça as mesmas perguntas e as mesmas avaliações para todos os objetos que você pretende comparar. Eu fiz e cheguei à conclusão do primeiro item. Somando todos os pontos de vista, somando todas as “relativizações” pode-se chegar a algum conhecimento objetivo.

  5. A questão é que nao quero ser tao categorico a ponto de afirmar se um sistema é bom ou ruim com base na sua execucao por desconhecer um socialismo que nao tenha sido totalitario.

    Creio que para fazer uma análise justa sobre as duas formas de sistema deveriamos analisar conjuntamente a forma de estado bem como a forma de governo em que foi aplicado tal sistema. Para o capitalismo tivemos exemplos com todas as variações possíveis entranto o mesmo não ocorreu com o socialismo, e, acredito eu, por imperativo do sistema oposto.

    Vale lembrar que até mesmo a melhor das idéias pode receber uma conatacao ruim se mal executada, mas nem por isso devemos deixar de crer na mesma. A verdade é que ambos os sistemas sao perfeitos, a diferenca e de qual lado estamos e qual sao nossos interesses.

  6. Tenkai,

    você disse:
    nao quero ser tao categorico a ponto de afirmar se um sistema é bom ou ruim com base na sua execucao por desconhecer um socialismo que nao tenha sido totalitario

    O que você está esperando? Ser categórico apenas quando você tiver evidências de que o sistema é bom?

    Pressuponho que você seja uma pessoa com alguma cultura, que estudou e conhece minimamente a história do mundo nos últimos 100 anos. Assim, pergunto: será que não significa nada o fato de você não conhecer um socialismo que não tenha sido totalitário? Imagino que você tenha procurado (se não o fez, faça) e, no fim das contas, não encontrou. Por que? Talvez porque não exista. Talvez porque todo socialismo tenda ao totalitarismo em alguma medida. Você não tem motivos para ignorar as evidências que você mesmo encontrou até agora. Tem motivos apenas para continuar buscando exemplos de socialismo não-totalitário. Se encontrar, me avise.

    E, por favor, não afirme que o socialismo não foi suficientemente testado porque o capitalismo não deixou. Veja: uma das marcas características de muitos países socialistas é fechar-se ao resto do mundo e estimular um tipo de diplomacia que já deveria ter sido extinta (vide Europa Oriental no período da Guerra Fria, vide Coréia do Norte, Cuba e Venezuela hoje).

    Além disso, 100 milhões de mortos não são teste suficiente? Que tipo de variedade você imagina para um regime que já demonstrou ser totalitário e genocida? Você realmente acha possível dar-lhe uma segunda chance, tratá-lo como se ainda houvesse alguma chance dele ser bom?

  7. Nao quero ser categorico pois toda historia foi escrita pelos vencedores e para se chegar à verdade eh preciso muito mais do que mera vontade.

    Na realidade temos exemplos vivos de socilismo que não sejam totalitarios entretanto ainda eh cedo para afirmamos isso porque ainda nao tivemos um desfecho. Basta olharmos para a america latina e analisarmos o movimento politico.

    E, ora, como dizer que cuba, coreia do norte sao paises fechados diante do embargo economico imposto pelos Estados Unidos? Como afirmar que o socialismo possui passe livre quando o que vemos sao diversos golpes de estados quando os interesses do capital serao prejudicados? Olhemos para honduras e veremos que tal metodologia ainda esta presente nos dias de hoje.

    Mas o que interessa eh segunda feira. Vamos ver do que sera feito do nosso futuro. Enquanto isso seguimos levando a democracia ao iraque.

  8. Tenkai,

    quem escreve a história é a imprensa e a academia e estas são maciçamente esquerdistas. Repare, aliás, que dizer repetir o mantra “o capitalismo venceu” — se é isso que você está afirmando — é uma forma de reafirmar a necessidade de uma guinada à esquerda, que é justamente o que vem acontecendo na América Latina.

    Socialismo não-totalitário é mais ou menos o que acontece nos países escandinavos. Aquilo não é socialismo, é social-democracia e as diferenças são óbvias. De quais exemplos vivos de socialismo não-totalitário você dispõe?

    Não entendo por que é necessário esperar um “desfecho” para avaliar governos. Tente esperar o “desfecho” do chavismo e do castrismo, por exemplo. É impossível, estes regimes são construídos para durar eternamente. Enquanto você espera por um “desfecho”, esses governantes continuam estragando seus respectivos países. Vai esperar o quê?

    Chavez já está no poder há 11 anos. Precisa de mais o quê para avaliar o socialismo que ele implantou na Venezuela? A perspectiva de um lapso de liberalismo venezuelano daqui 10 anos tornaria o Chávez de hoje menos totalitário e menos repugnante? Não há motivos para aguardar desfecho algum; analise o que acontece hoje. Pense, manifeste-se e aja em função da análise da realidade presente, não de suposições, de possíveis “desfechos”, de idéias maravilhosas e de projetos para o futuro.

    Presidentes democraticamente recém-eleitos merecem um desconto e um voto de confiança com seus projetos para o futuro. Ditadores, que já deram provas suficientes de que são ditadores e de que querem continuar ditadores até o fim da vida, merecem no mínimo cadeia. Observe que o socialismo é especialmente bem-sucedido na manutenção desses crápulas no poder — são sujeitos blindados, eles afundam o país a um ponto tal que a população não tem mais condições de tirá-los do poder, nem pela força (novamente, é precisamente o que aconteceu em Cuba e na Coréia do Norte). Os hondurenhos foram espertos e acordaram a tempo.

    O embargo econômico a Cuba veio depois da instalação da ditadura comunista. Cuba primeiro fechou-se ao mundo, depois boa parte do mundo realmente desistiu de Cuba. Processo semelhante ocorreu com a Coréia do Norte. Os verdadeiros responsáveis pelos embargos econômicos que esses países sofrem são seus respectivos ditadores.

  9. Fala Christian!

    Primeiramente gostaria de me desculpar pela demorar em tecer mais um comentário. Ultimamente tem sido corrido e não pude desperdiçar o feriado para viajar e esfriar a mente um pouco. Bom, vamos la!

    Dizer que a imprensa e a academia sao maciçamente esquerdista é uma falacia pois ambas sao em sua essência capitalista tendo em vista que não passam de uma concessão e a regulamentação a respeito é um tanto quanto chula. E não é dificíl chegar a esta conclusão. Basta visualizar os ultimos acontecimentos e suas respectivas repercussões para tal.

    Acredito eu, que o mais puro jornalismo é aquele independente, despretencioso. Onde o jornalismo é feito somente em busca – pelo prazer – da verdade. E isso, atualmente, só conseguimos visualizar minimamente nos blogs pois o grande capital simplesmente abocanha tudo.

    Imaginei que fosse entrar no merito da venezuela ainda ao escrever o ultimo comentario mas preferir nao ser pretensioso e esperar.

    Me recuso a acreditar que em um pais onde todo cidadao anda com uma constituicao de bolso, onde a taxa de anafalbetismo caiu para menos de 1%, onde a populacao miseravel caiu abruptamente, entre diversos outros fatores seja um pais na qual devemos repugnar, e enquadra-lo no eixo do mal alegando um regime totalitario. Ou melhor, devemos sim. Quem sabe assim com nossas novas bases na colombia teremos um pretexto para levarmos a democracia àqueles povos, assim como visemos no iraque.

    O que me abisma é: como foi possivel um governo totalitario como akele ter sofrido o golpe militar mais curto de toda a historia… soh pode ser pq o povo eh burro mesmo. Mesmo tomando coronhada prefere ficar na merda.

    Soh esclarescendo, nao sou comunista ou socialista, muito menos capitalista. Apenas vejo problemas comuns nos 2 sistemas que nao me permitem definir qual seria o “mal” da historia. Ate pq essa qualificacao pouco interferiria nas minhas conviccoes.

    Para finalizar, tenho que dizer que nao pude deixar de notar a sua intencao em convencer ou vender uma opiniao onde a intencao era apenas agir despretensiosamente e discutir um tema. Mas bola pra frente, o dia a dia que nao muda!

    akele abraco

  10. Por partes (ou parágrafos), Tenkai:

    1) Dizer que a imprensa e a academia são capitalista porque elas são movidas pelo capital equivale a dizer que um carro a álcool é vegetariano porque o álcool vem de uma planta. Pense bem: quando falo de capitalismo e de socialismo me refiro a ideologias e de ações relacionadas a essas ideologias, não ao fato de uma empresa ser movida por dinheiro. Toda empresa é movida por dinheiro. Aliás, tudo é movido por dinheiro, inclusive — e principalmente — nações socialistas. Talvez a imprensa e a academia sejam ainda mais socialistas do que instituições assumidamente socialistas porque dependem de um dinheiro que elas não produzem e mesmo assim insistem em suas pregações esquerdistas. Fazem uma coisa (refestelam-se com um dinheiro que só poderia vir de um sistema capitalista) e defendem outra (mais Estado, mais socialismo, mais comunismo), sem perceber que isso é um tiro no próprio pé.

    2) Não existe jornalismo independente, pelo menos não naquilo que se convencionou chamar de “grande mídia”. Todos os jornais, em alguma medida, estão comprometidos com o Estado ou com grandes corporações, porque são eles que pagam seus salários.

    3) O analfabetismo é um indicador entre tantos. Sem dúvida é algo positivo. Mas educação de nada serve num país que vive sob governo fascista gerador de uma cultura igualmente fascista. As pessoas aprendem a ler e vão ler o quê? Cartilhas socialistas? O Manifesto Comunista? O Capital? Jornais mantidos pelo governo? O Granma? Índices educacionais, sociais e econômicos exigem uma análise bem ampla e contextualizada. Isolados, não significam nada.

    4) Você disse: “essa qualificacao pouco interferiria nas minhas conviccoes”. De onde você tira suas convicções? Existe algum mérito em mantê-las quando as evidências apontam uma realidade completamente diferente daquela que você imagina? É muita ingenuidade achar que é impossível qualificar um sistema político-ideológico cujas ações e resultados são plenamente conhecidos. Se você não os conhece, aí já é outra história.

    5) Que motivos eu teria pra agir despretensiosamente com assuntos sérios? Se alguém aparece aqui dizendo que a imprensa e a academia são capitalistas, que não é possível qualificar as ideologias e sistemas de esquerda e que nações socialistas são batutas porque acabam com o analfabetismo e se eu sei que a realidade é um pouquinho diferente disso, o que espera que eu faça? Que aja despretensiosamente? Que diga “tudo bem, é verdade, você tem razão, obrigado pelo comentário, até mais”? Se você não quer ser sério com assuntos sérios, se não quer mostrar o que você sabe ou ver o que eu estou tentando mostrar, não perca o meu e o seu tempo.

  11. 1) Ora, ideologia nada mais é que um conjunto de idéias ou pensamentos de uma pessoa, neste caso um grupo. Considerando, resumidamente, a idologia capitalista como aquela que visa o desenvolvimento da burguesia, o lucro e o acumulo de riquezas chegaremos a conclusão de que a imprensa é capitalista.

    A beleza das ideologias é exatamente essa, podermos analisa-las de forma macro ou micro. Reduzir uma ideologia a um mero sistema é desvirtua-la.

    Agora, imprensa socialista e estatal? Talvez a NBR o seja, a grosso modo. De resto, nenhuma chega nem perto. O capital da imprensa esta diretamente relacionada à publicidade e nao à organizacao estatal, portanto o comprometimento é com as grandes corporacoes e nao com o estado. Assim sendo, como cumprir a sua funcao social sem maculacoes?

    2) Exatamente, e este fato consciste da inexistencia de instrumentos que permitam ao jornalista uma certa autonomia e independencia. Mas felismente existem algumas excecoes como o jornal pessoal. O interessante eh que aqui voce admite o capital das grandes corporacoes, mas logo acima omitiu este dado para fundamentar o aspecto socialista da imprensa.

    3) Consideremos a sua afirmacao. Todos comecamos lendo gibis e com o amadurecimento mudamos nosso foco. Se nao sabemos nem ler nao ha desenvolvimento, o que eh altamente interessante para um sistema capitalista. Eh natural que comecemos a ler assuntos que estejam envolvidos no nosso dia a dia e se o dia a dia dessa gente eh a luta social, a probeza e a desigualdade nada mais justo que leem algo relacionado.

    Talvez o ideal mesmo seja o nosso modelo, onde o indice de leitura mal chega a 1 livro por ano.

    Agora, dizer que a venezuela é fascista e que chaves é totalitario é demais. Se analizarmos a CF da venezuela veremos aspectos que ha em poucos paises desenvolvidos como a possibilidade de se convocar referendo sobre a continuação ou não de um mandato, basta que 20% dos seus eleitores assinarem uma petição. E isso ocorreu em 2004, onde chaves acabou vecendo. Onde mais vemos algo tao democratico quanto isso?

    Quando a constituicao da venezuela eh alterada para retirar as restrições existentes às candidaturas logo afirmamos que esta medida eh totalitaria mas nao percebemos que qualquer outro candidato, teriam o mesmo direito atraves do voto popular. Quando algo semelhante ocorre na colombia a imprensa emite uma nota de rodape.

    O que nao compreendendo é que é possivel comparar chaves ao fascismo de mussoline e, quando vamos aplicar a mesma logica para berluscone caimos em erro e tomamos um processo de bilhoes na lata.

    Vivemos num falsa democracia, numa sociedade do medo, temos uma falsa liberdade e o pior, nem sabemos quem nos controla e ainda queremos julgar outros paises. Para mim é o sujo falando do mal lavado.

    4) Que evidencias apontam outra realidade? Vivo numa republica capitalista e sei muito bem que nao eh este o sistema que desejo especialmente por nao ser um sistema auto-sustentavel. Se hajo com desconfiaca e sem preconceito sobre um sistema que nunca vivi exatamente por duvidar de quem escreveu a historia (o que naturalmente foram os capitalistas) estou sendo ingenuo. Talvez eu nao deveria duvidar do que leio ja que somente 1 em 100 escreve algo diverso.

    Talvez voce tenha conviccoes bem solidas para acreditar na beleza do capitalismo. Mas tenho certeza que nao seria dificil contestar os argumentos se estes fossem baseados na estrutura do sistema e nao em comparacao a outros.

    5) Acabei por me lembrar de um de seus posts sobre um proverbio chines onde um estudante visita um mestre cheio de duvida e entao o mestre faz uma analogia com a chicara de chá. Eh o que se passa.

    Realizar um discução com a finalidade de convencimento é um ato meramente egoísta que nao leva à conclusão mais benéfica. Quando digo agir despretensiosamente me refiro a agir sem preconceitos e intencoes maculadas sobre um assunto importante. Deveriamos esquecer um pouco a dialetica eristica e encarar o fato de que existe vida alem de olavo bilac.

  12. Tenkai:

    1) Vou tentar ser mais claro: um jornal e uma universidade têm como objetivo a produção de informação e a transmissão de idéias. É evidente que, por serem produtos abstratos e ideológicos, estes podem ser socialistas, independentemente do jornal e da universidade, como empresas, viverem do capital. Em outras palavras, o fato do jornal ou da universidade viver do capital não a impede de seguir uma ideologia completamente oposta ao capital. No caso do Brasil é o que de fato acontece: a maior parte da imprensa e da academia é abertamente de esquerda e estatista (eu não disse estatal). Leia os editoriais dos grandes jornais e você entenderá o que eu quero dizer. Há exceções, claro, mas são tão raras que só servem pra confirmar a regra.

    2) Eu não omiti nada, você é que não leu o que eu escrevi. Eu disse: [a imprensa e a academia] refestelam-se com um dinheiro que só poderia vir de um sistema capitalista”.

    3) Não sei o que você pensa da alfabetização, mas talvez imagine que as crianças são alfabetizadas e são deixadas livres para ler o que quiserem, para receber a educação mais livre e emancipadora que possa existir. Não existe educação isenta no sistema regular de ensino. Por exemplo, há boçais que sugerem a exclusão do ensino religioso (refiro-me ao ensino opcional, tal como existe hoje) e a inclusão da educação sexual desde a pré-escola. A “luta social” torna-se o dia-a-dia da pessoa que é educada para acreditar que isso é mais importante do que cuidar do próprio nariz — esta, aliás, é a essência de movimentos de esquerda: brigar em vez de produzir, vide MST.

    Sobre Chávez e a magnífica democracia venezuelana, podemos continuar depois que refutar este artigo.

    4) Em nenhum momento falei da beleza do capitalismo (novamente, por favor, leia o que eu escrevi). 100 milhões de pessoas morreram em decorrência de regimes socialistas e comunistas. Precisa de mais alguma evidência? Você acha que esses números são manipulados? Por que você não procura saber em vez de ficar repetindo “nunca vivi isso, não sei como é” ou “é preconceito dizer isso de algo que não experimentei”? Se você está a fim de dar uma chance para genocidas totalitários, fique à vontade. Apenas não inclua meu país nisso. Eu estou dizendo que foi assim porque li e estudei, há vários registros diferentes disponíveis por aí. Se você sabe algo que eu não sei, coloque em discussão. Se não sabe, por que insiste em recusar o que eu digo? O que torna os regimes de esquerda inerentementes ruins é justamente a comparação com outros sistemas: o socialismo matou 100 milhões de pessoas, os outros regimes não — é bem simples. Se não houver comparação, passamos para um universo absoluto, um mundo de sonhos e ilusões onde os sistemas políticos vivem flutuando no éter. Isto não existe, é óbvio. Não me interessa a teoria, as boas intenções, a “estrutura do sistema”, interessa o que de fato ele fez, interessa a realidade.

    5) Eu não estou preocupado em convencer você de nada. Estou preocupado apenas em manter meu blog livre do erro, da confusão e do engano. Quando alguém aparece aqui e começa a escrever coisas do tipo “o socialismo pode ser bom, vamos experimentá-lo” ou a sugerir que Chávez é um democrata, eu tenho a obrigação de me manifestar, porque essas baboseiras não têm a menor ligação com a realidade.

  13. Como você estabeleceu um debate direto, farei o mesmo:

    “o fato do jornal ou da universidade viver do capital não a impede de seguir uma ideologia completamente oposta ao capital.”

    Ora, e como é obtida essa indepêndencia, ou melhor, autonomia? Tal hípotese só é possivel com uma regulamentação que garanta tal direito. Alias, entenda-se ideologia como a finalidade social destas instituições e não como a polarização partidaria – capitalista ou socialista – pois, como você bem ressaltou, tais instituicoes têm como objetivo a produção de informação e a transmissão de idéias e não a formação de opinião, como querem alguns.

    “No caso do Brasil é o que de fato acontece: a maior parte da imprensa e da academia é abertamente de esquerda e estatista (eu não disse estatal).”

    Não confunda notícias apelativas com estatistas pois o único interesse é alcancar o seu publico. Se necessário é utilisar notíciais que tendem a “esquerda” que seja, pouco importa… conquanto que isso não esteja afetando os rendimentos…

    “Leia os editoriais dos grandes jornais e você entenderá o que eu quero dizer. Há exceções, claro, mas são tão raras que só servem pra confirmar a regra.”

    O que seria um grande editorial para você? Cite um exemplo por favor. Gostaria de entender a lógica para se chegar a tal conclusão pois essa lógica me escapa tendo em vista que a única coisa que vejo são instituições patriarcais e regionais.

    “Não sei o que você pensa da alfabetização, mas talvez imagine que as crianças são alfabetizadas e são deixadas livres para ler o que quiserem, para receber a educação mais livre e emancipadora que possa existir.”

    Elas são crianças exatamente por isso, por não terem a consciência para optarem pelas suas próprias escolhas. Mas se a esta crianças não é dado o mínimo de subsistência, como esperar que quando adulta ela se emancipe?

    “Não existe educação isenta no sistema regular de ensino. Por exemplo, há boçais que sugerem a exclusão do ensino religioso (refiro-me ao ensino opcional, tal como existe hoje) e a inclusão da educação sexual desde a pré-escola.”

    Como se o sistema regular de ensino fosse a única fonte de conhecimento. É como diria Ueshiba, entre pela forma e saia da forma.

    “brigar em vez de produzir, vide MST. ”

    Cite uma terra concedida ao MST que não seja produtiva. Ousaria até dizer, cite uma que não seja altamente produtiva. Só porque há uma continuidade no movimento não significa que não haja produção, apenas que objeto persiste.

    “Sobre Chávez e a magnífica democracia venezuelana, podemos continuar depois que refutar este artigo.”

    Não vou entrar no mérito, ainda mais baseado nesse artigo. Só no primeiro parágrafo daria para escrever um livro refutando cada vírgula exposta pelo autor.

    “Em nenhum momento falei da beleza do capitalismo”

    Também não disse que você falou. Mas, considerando todas as suas posições, é o que se abstrai.

    “100 milhões de pessoas morreram em decorrência de regimes socialistas e comunistas. ”

    Assim parece que este é seu único argumento. Sem me estender muito: o capitalismo mata 100 mil pessoas por dia. Não é difícil concluir que o capitalismo mata mais em três anos do que o comunismo matou em 7 décadas.

    “Precisa de mais alguma evidência? Você acha que esses números são manipulados?”

    De forma alguma, até porque tal número foi dado pelos próprios comunistas. A questão é que esse dado não é suficiente para fundamentar um questão filosófica – o que, alías, era a minha intenção. Senão você também teria que dizer que o catoliscismo é inerentimente mal, pois dezenas de milhões foram mortos.

    “Por que você não procura saber em vez de ficar repetindo “nunca vivi isso, não sei como é” ou “é preconceito dizer isso de algo que não experimentei”?”

    Em nenhum momento fiz tal afirmação. Apenas tenho uma tendência a desconfiar daquilo que me falam. Ainda mais quando não estive presente. Se quando estou presente meus próprios sentidos me enganam, o que esperar de algo que não vivêncei? No mínimo, incredulidade.

    “O que torna os regimes de esquerda inerentementes ruins é justamente a comparação com outros sistemas: o socialismo matou 100 milhões de pessoas, os outros regimes não — é bem simples”

    Realmente, nenhum outro sistema matou 100 milhões de pessoas. Que tal mudar o tempo verbal já que o capitalismo mata 100 mil por dia?

    “Eu não estou preocupado em convencer você de nada. Estou preocupado apenas em manter meu blog livre do erro, da confusão e do engano.”

    Hay! Falou como um verdadeiro ariano.

    “o socialismo pode ser bom, vamos experimentá-lo”

    Bom, se foi isso que você extraiu da discussão recomendo um leitura mais minuciosa.

    “essas baboseiras não têm a menor ligação com a realidade.”

    Já considerou a hipótese de que a realidade vista da sua cadeira de frente para o mar seja diferente da realidade nas ruas? Gilmar Mendes que o diga.

    Relendo um de seus comentários me deparei com a seguinte frase que não pude deixar de mencionar: “Os hondurenhos foram espertos e acordaram a tempo.”

    E diante dessa afirmação só tenho um comentário a fazer. Ou você desconhece os verdadeiros motivos do golpe, ou é um fascita de 1ª.

  14. 1) Ideologia = finalidade social? Essa idéia é no mínimo extravagante. Ou você não sabe o que é ideologia ou não sabe o que é finalidade social.

    2) A imprensa apelativa é o que menos me preocupa no Brasil. O que me preocupa é o peleguismo disfarçado de jornalismo de alto nível — esta é a regra entre os principais jornais brasileiros. Não existe oposição no Brasil, principalmente na imprensa. Muitos criticam o presidente por suas gafes e por outras falhas menores, mas isso não constitui uma oposição séria, tampouco toca naquilo que realmente importa — o fato do país ser governado por uma organização criminosa.

    3) Eu não disse “grande editorial”. Eu disse “editoriais dos grandes jornais”, como Folha de São Paulo, Estado de S. Paulo, O Globo e Jornal do Brasil — jornais grandes na fama e na história, não na qualidade de seu jornalismo, claro. Infelizmente para demonstrar o que você busca é necessário acompanhar os editoriais por um certo período de tempo, coisa que eu não vou fazer aqui. Um exemplo isolado não serviria para nada além de confirmar a sua tese. Se você realmente quer ver o que tento demonstrar, apenas leia os editoriais e veja em que medida eles são pró ou contra o governo, em que medida eles são pró ou contra as iniciativas estatais, em que medida eles colaboram para a instalação de um governo cada vez mais fascista ou reafirmam a importância do livre exercício da expressão e da cidadania.

    4) Se você vê diferenças entre oferecer para uma criança recém-alfabetizada um livro de Monteiro Lobato ou um livro que conta a história de uma família em que papai e mamãe são ambos do sexo masculino, você já sacou o que quero dizer com educação infantil.

    5) O MST é uma organização criminosa que pretende impôr ao agronegócio um rigor na avaliação sobre a produtividade que ela própria jamais conseguiria atender. Se assim fosse, as terras do MST estariam concorrendo com o agronegócio — e vencendo, já que contam com gordos subsídios do governo.

    6) “Só no primeiro parágrafo daria para escrever um livro refutando cada vírgula exposta pelo autor”. É surpreendente que você diga isso e não escreva nem uma linha sequer sobre isso.

    7) Tenkai, o comunismo matou 100 milhões de pessoas. Este é meu único argumento contra ele. O simples fato de você exigir outros argumentos demonstra que você não tem a menor noção do que esse número significa e, portanto, não tem noção da realidade.

    8) A diferença entre as mortes causadas pelo comunismo e aquelas que você atribui ao capitalismo é que as mortes causadas pelo comunismo são conseqüências diretas da aplicação da ideologia comunista às vidas das pessoas. A implantação e a manutenção do regime comunista implica necessariamente o uso da força. Onde essa força foi afrouxada, o regime caiu e vidas foram poupadas. Dizer que 100 mil pessoas morrem diariamente por causa do capitalismo sem explicar e sem situar esse número é patifaria pura.

    9) Não me interessam questões filosóficas, pelo menos não neste tópico. Não estou fazendo filosofia aqui. Dizer que um sistema político-governamental é inerentemente mau não é filosofia. Eu estou tratando da realidade, por isso insisto num único argumento — porque se trata de um argumento real e palpável, que foi exaustivamente registrado.

    10) Como eu já disse, se você sabia de algo que eu não sabia, devia ter me mostrado e demonstrado meu erro — nisto consiste um debate. A simples reafirmação do erro alheio não produz um debate. Se, por outro lado, você não sabia de nada além do que eu já disse, com que bases e por que motivos você duvidava do que eu dizia?

    11) Entenda o seguinte: há regras para comentar em blogs e as mais simples e elementares são manter a educação e oferecer argumentos razoáveis — condições necessárias para o exercício da livre expressão de idéias. Se, além de não oferecer argumentos razoáveis, você ainda se manifesta afirmando coisas a meu respeito (“verdadeiro ariano”, “sua cadeira de frente para o mar”, “fascista”), você demonstra sua inutilidade neste debate e me dá o direito de encerrar sua participação neste blog.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s