Vida profissional, doença moderna

explorer

Dizem os mais sábios que a filosofia acabou quando alguns filósofos começaram a se reunir em instituições de ensino e organizaram a trapizonga de forma a perpetuá-la indefinidamente — e, junto com ela, consolidar o status destacado desses perpetuadores. Em outras palavras, a filosofia acabou — ou, pelo menos, sua qualidade despencou assustadoramente — quando se tornou uma profissão comum, com começo (estudo formal, como aquilo que dizem que é feito numa universidade), meio (exercício formal, ao ponto de ‘prestar serviços’, como um encanador ou um arquiteto) e fim (aposentadoria formal, que geralmente se expressa na obtenção de uma cátedra qualquer e artigos para jornais que só reconhecem seu nome, não suas idéias).

Daí para a constituição de sindicatos, conselhos de classe, daí para o estabelecimento oficial (i.e. chancelado pelo Governo Federal) da profissão de filósofo, foi um pulo. E, então, o indivíduo que decidiu tornar-se filósofo passou a acreditar na idéia — obviamente absurda — que diz que para ser filósofo é necessário antes ter todos os documentos e carimbos em dia. Então, dotado desses documentos e carimbos, o sujeito começa a filosofar. E Sócrates se revira na tumba, claro.

A filosofia não é exceção. Trata-se apenas do exemplo mais gritante de uma doença moderna: aquela que diz que uma carreira é aquilo que se faz para ganhar dinheiro e status (i.e. mais dinheiro). Que problema há nisso? Em verdade, nenhum. Nada mais justo do que querer receber dinheiro em troca de anos dedicados à própria formação, o que, no fundo, é algo muito digno: o sujeito estuda com a intenção de oferecer algo bom para os outros, apenas não quer fazer isso de graça. Sem problemas.

O problema surge quando o sujeito começa a dividir sua vida entre carreira, lazer, família e vários outros aspectos de sua vida — uns mais práticos e palpáveis, outros mais abstratos e conceituais. Uns podem argumentar que se trata de uma forma segura de preservar cada um desses aspectos e o senso comum diz que não é bom trabalhar em casa, rodeado de crianças e de outras solicitações familiares. Concordo. Essa divisão geralmente é saudável, porque é prática, é como não colocar roupas sujas na geladeira ou como não fazer as refeições enquanto se toma banho. A compartimentação da rotina assegura a organização e o funcionamento das partes e do conjunto; já se disse que o cotidiano deve ser encarado como um relógio suíço. Concordo.

Eu me refiro a algo um pouco mais abstrato.

Note, por exemplo, o auto-entorpecimento de pessoas em férias. Desligar-se do trabalho não é apenas uma conseqüência das férias, é algo que se torna o alfa e o ômega do indivíduo tão logo esse período se aproxima. O médico deixa de ser médico, o engenheiro deixa de ser engenheiro, o professor deixa de ser professor. Tornam-se homens genéricos, daqueles que são vistos à distância nas filas dos pedágios ou que são entrevistados com as mesmas perguntas de sempre (especialmente elaboradas para que as respostas sejam sempre “Com certeza!”), nas reportagens telejornalísticas no início ou no final dos feriados.

Note que o indivíduo não está naquela profissão porque quer, mas porque precisa pagar as contas. Se ele consegue pagar as contas e lhe sobra dinheiro, ele se manterá naquela profissão porque ele quer que sobre ainda mais dinheiro, porque ele precisa pagar a casa de praia, porque ele precisa trocar de carro todos os anos, porque ele precisa daquele tênis novo, porque ele precisa ir naquela churrascada com os amigos (e pagar por isso e ir bem vestido) etc. etc. etc. Ele submete aproximadamente metade de sua vida para dedicar-se a algo que, na melhor das hipóteses, fornecerá combustível para as coisas que realmente interessam.

O problema fica ainda mais sério quando essa submissão se torna um hábito e com ele o indivíduo perde a capacidade de distinguir aquilo que realmente lhe apraz. Isto não significa começar a gostar daquilo que se faz — o que seria bom –; significa apenas não dar mais atenção àquilo que se sente quando aquelas coisas são feitas. É algo muito pior do que conformismo — o que representaria uma dose saudável de estoicismo –; trata-se de catatonia, que o Houaiss define desta forma: “forma de esquizofrenia que apresenta uma alternância entre períodos de passividade e de negativismo e períodos de súbita excitação”.

Até hoje não encontrei definição melhor para “vida profissional”.

.

link da imagem

Anúncios

4 comentários sobre “Vida profissional, doença moderna

  1. O bom de se ter conhecimento e consciência sobre certos assuntos, no caso, o que vc. expos, é que isso te dá o direito de escolha. Mesmo que, aparentemente, tenhamos que nos submeter ao Sistema, mesmo que o Sistema tente nos engolir, jamais conseguirá digerir a nossa essência. Fazer o que precisa ser feito não significa fazer o que querem ou o que esperam que façamos..´porque no final, o que importa é o resultado.
    Se os meios não justificam os fins, há muito que os fins deixaram de justificar os meios.

  2. Oi Christian quanto tempo! (meaning, “quanto tempo faz que não entro aqui!”, hehe) Acho que perdi seu link, sei lá o que fiz.

    Largaste as paralelas então, hein? Não tenho como repreender. E a razão está, coincidentemente, nest post, né.

    Escolher arquitetura já é um forte indício de baixa tolerância para esse hiato pessoal/profissional. Mas ainda assim, com o tempo, ela vai assumindo feições de contabilidade, não tem jeito.

    Em poucois anos, as prioridades normalmente se alinham com aquela musica do Elvis, it’s one for the money, two for the show…

    A filosofia acabou quando o homemo saiu do centro dela. O menos brutal assassinato de socrates foi mesmo o primeiro. A coincidencia não é acaso. Fiz um post ontem sobre isso, sobre a arquitetura grega ter como “cliente” não apenas o homem, mas toda a humanidade.

    Péricles, como socrates, sabiam o que estavam fazendo.

  3. Chris, eu gostaria de traduzir isso, mas não me atrevo. É um texto de Bahauddin, pai de Rumi, é também um desabrochar de tudo o que a Sonia quiz dizer:

    Dignity and Choice

    By the One who set the earth with rivers pouring through in mist below the mountains, and two oceans with a strip of land between ( 27:61 ), we move the elements into various shapes without their consent, but human beings, unlike the water and trees, have a choice. They are giving dignity, discernment, and the evolutionary wisdom that can move from death to new life, again to die and be restored on another level of existence. You have many choices about the ways you live and work and change and survive. Say you fall into an ocean. You may give up and sink, or you may try to swim to shore. Salvation is your decision.

    Abraços

  4. A mim esse conceito de “vida profissional” vem envolto num tipo de lavagem cerebral muito usado em partidos políticos e agora adotados pelos novos métodos da administração moderna. A ideia é partir a uma dedicação exclusiva e atemporal à empresa ou partido, ou ainda um grupo ideológico, e é incrível como cada vez mais pessoas tomam coisas deste tipo como sentidos absolutos a suas vidas. É perfeitamente o que o Yuri Bezmenov chamada de idiotas úteis!

    Por outro lado, atualmente é comum ouvir a expressão: “a família é uma instituição falida”. Não poderia ser diferente já que se dedica a ela sempre o último lugar da lista de prioridades; antes há a empresa, depois os projetos da empresa, chegando aos companheiros de empresa, os treinamentos da empresa, os churrascos da empresa etc etc. É total nonsense a dedicação a alguém que na primeira crise financeira mandará você e o “sentido da tua vida” ao encontro do desemprego, ao passo que uma família conecta pessoas pela eternidade — afinal nossos tataravôs já morreram, mas ainda têm alguma coisa em nossas vidas que nos conectam a eles.

    Só tenho uma objeção ao teu texto: vejo com muito entusiasmo a possibilidade de trabalhar em casa “rodeado de crianças e de outras solicitações familiares”.

    Abração!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s