A falácia das conquistas sociais

Queda da pobreza extrema

— De 1994 a 2002 (FHC), a taxa de extrema pobreza caiu um total de 6,28%, com uma variação de -30,98%.
— De 2002 a 2009 (Lula), a taxa de extrema pobreza caiu um total de 6,71%, com uma variação de -47,96%.

Queda da pobreza

— De 1994 a 2002 (FHC), a taxa de pobreza caiu um total de 8,58%, com uma variação de -19,96%.
— De 2002 a 2009 (Lula), a taxa de pobreza caiu um total de 12,98%, com uma variação de -37,73%.

Dívida pública federal

— Ao final do governo FHC (12/2002): R$ 560.828.810.000,00
— Ao final do governo Lula (10/2010): R$ 985.808.530.000,00

Números oficiais colhidos aqui.

Prefere ligar os pontos? (clica na imagem para ampliar)

O petismo II

absurd gun

Pior do que eleição é ter que discutir com quem entrou no debate sem qualquer condição de debater.

Oras, para ser candidato o sujeito só precisa provar que é alfabetizado e, se o tal Ficha Limpa é a sério, que não está sendo processado por alguma merda que fez recentemente. Ou seja, se o sujeito for analfabeto funcional e tiver feito merda mas não estiver sendo processado, sinal verde para sua candidatura a qualquer cargo político.

Então, reprise: pagodeiros, ex-guerrilheiras, atores e atrizes pornô, palhaços, sindicalistas profissionais, professores grevistas, jogadores de futebol, corruptos e mentirosos assumidos — todos estão aptos a se candidatar e alguns se elegem e se reelegem.

E não é apenas com eles que você precisa discutir caso queira manter vivas as esperanças de que a política adquira alguma decência: você precisa discutir também com os eleitores deles.

***

Exemplo colhido a esmo:

Continuar lendo

O petismo (versão sem cortes)

petista dançando

Um dos problemas mais sérios da política brasileira se chama militância. O PT sempre a teve. Seus opositores mal sabem o que é isso. «Militância petista» é pleonasmo.

Não me refiro apenas à capacidade de reunir pessoas e colocá-las nas ruas em protesto, mas também de organizá-las em diversos campos de modo a construir um ambiente favorável a certos grupos e ideologias e totalmente desfavorável a tudo e a todos que tentarem se lhes opor.

Independentemente de qual seja o ambiente, é natural que a militância siga aquilo que é determinado pela cúpula do partido ou do grupo. «Seguir» não significa apenas atender as determinações estratégicas que vêm de cima, mas também — e sobretudo — acreditar na santidade dos líderes, na pureza de seus valores e na maldade de seus opositores. Para o militante, seguir as determinações do partido significa também que os fins justificam os meios e que, portanto, não há nada mais importante do que implantar o projeto que foi proposto. O que são princípios e valores diante da necessidade de implantar «um país de todos»? A pergunta é retórica, claro, mas algumas respostas têm sido dadas na Internet. O conteúdo abaixo não é recomendado para pessoas de estômago fraco.

Continuar lendo

Cumprindo um dever cívico

Dias antes do encerramento da Copa do Mundo deste ano, na África do Sul, o comitê que organiza a Copa de 2014 apresentou o logo do evento que será realizado no Brasil. A versão divulgada pode ser vista no final desta página.

Muitas pessoas criticaram o emblema da Copa de 2014, inclusive especialistas, mas o que poucas sabem é que foi cometido pelo menos um erro na edição do logotipo. A cor vermelha não faz parte das cores nacionais e o azul sequer foi utilizado na versão originalmente apresentada. É evidente que foi um deslize de quem desenhou o logotipo. Algumas pessoas disseram que isso aconteceu por causa do comuno-petismo, que adora adicionar o vermelho em tudo, mas isso não tem o menor cabimento, claro.

Sabendo disso, decidi cumprir o dever cívico de corrigir o logotipo. Quem quiser copiá-lo e passá-lo adiante, fique à vontade.

O verdadeiro emblema da Copa do Mundo de 2014, devidamente corrigido (clica para ampliar)

Impagável

Castelo Branco

“O último grupo político que pensou estrategicamente no país foram os militares durante a ditadura. Todo o resto agiu emergencialmente pensando nas eleições que estavam por vir ou na água que estava batendo na bunda.” — Bernardo Carvalho, do RTFM.

Comentários? Choramingos?

*
A propósito disso, vale a pena ler este artigo.