Para onde vamos?

Pico do Baepi, um dos símbolos de Ilhabela.

Em filosofia chama-se de consciência aquela capacidade de saber de onde viemos e, com base nesse conhecimento, saber exatamente para onde vamos. Em outras palavras, ter consciência consiste em ter uma memória saudável e saber utilizá-la para, hoje, fazer os ajustes necessários em nossa trajetória de vida. É a consciência, portanto, que conecta os três tempos que compõem a realidade.

Numa cidade as coisas não são diferentes. Qualquer ação que interfira no conjunto da cidade, na forma como seus habitantes interagem ou em seu desenvolvimento depende, é claro, da forma como sua história, seus atributos e seus patrimônios são levados em conta. Se isto pudesse ser resumido com uma expressão, eu a chamaria de «consciência urbana».

Diferentemente da consciência humana, a «consciência urbana» não se limita a uma única pessoa. Por mais simples que seja uma ação e por mais concentrado que esteja o poder — público ou privado — várias pessoas estão envolvidas na tarefa de tornar as decisões e as ações conscientes. É neste ponto que todos os problemas de uma cidade se iniciam.

A democracia colocou a ignorância e a estupidez no poder; crimes passaram a ser tolerados; vítimas passaram a ser responsabilizadas pelos atos de seus detratores, que passaram a ser perdoados como vítimas do «sistema»; a história deste país fez as expectativas despencarem. Na escala reduzida de uma cidade como Ilhabela, isto significa aceitar com complacência e até certa alegria o fato de que líderes políticos, intelectuais e empresariais — pessoas teoricamente imbuídas da responsabilidade de conduzir a cidade na melhor direção — demonstram não ter a mais mínima idéia do que acontecerá nos próximos 10 ou 20 anos. É surpreendente que aceitemos ser conduzidos por tais pessoas, que lhes atribuamos alguma autoridade e que, ao mesmo tempo, as dispensemos de responder perguntas tão simples como «para onde vamos?». Isto se torna ainda mais surpreendente quando lembramos que a resposta a esta pergunta já está dada: estamos seguindo fielmente a linha que foi traçada nas últimas quatro décadas.

Neste período, o único «ponto fora da curva» foi a criação do Parque Estadual. É curioso constatar que quem mais fez em benefício de Ilhabela nestas últimas décadas foi uma pessoa que aparentemente não tinha responsabilidades diretas para com o município: José Pedro de Oliveira Costa, professor doutor da USP, que em 1976 teve a idéia de criar um Parque Estadual no arquipélago. De todas as pessoas que influenciaram a vida nesta cidade, só ele parecia saber exatamente para onde estávamos indo. Quem, hoje, é capaz de entender Ilhabela como o ilustre professor compreendeu?

.

Artigo publicado no jornal Canal Aberto em 24 de fevereiro de 2011. Link da imagem.

Anúncios

Um comentário sobre “Para onde vamos?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s